Brasileiros pelo mundo ensinam receitas típicas de vários países

O Trip To Follow conversou com brasileiros (ou "quase" brasileiros) que moram em diferentes países ou têm alguma relação forte com eles e pediu para que cozinhassem receitas típicas

Viagem e gastronomia andam lado a lado. É quase impossível viajar e resistir à alguma comida típica do país visitado. Se aventurar nesses pratos – muitas vezes exóticos – deixam a viagem ainda mais rica.

Afinal, uma das melhores formas de conhecer umis pouquinho mais da cultura daquele lugar é através da comida, onde centenas de histórias e crenças estão “escondidas” em um prato.

JÁ SEGUE O TRIP TO FOLLOW NO INSTAGRAM?

Por isso, o Trip To Follow conversou com brasileiros (ou “quase” brasileiros) que moram em diferentes países ou têm alguma relação forte com eles e pediu para que cozinhassem algo do local onde estão vivendo. Algumas receitas são bem tradicionais, outras ganharam um “quê” abrasileirado e que deixaram o prato ainda mais saboroso.

Quel tal viajar sem sair de casa e experimentar pôr a mão na massa, literalmente, com essas receitas típicas? Se você provar alguma, deixa um comentário aqui contando  o que achou!.

Nesse post você vai encontrar:

|África do Sul – Malva Pudding

Malva Pudding, África do Sul (Foto: Pedro Bezerra Neto)

Malva Pudding, África do Sul (Foto: Pedro Bezerra Neto)

Pedro Bezerra Neto tem 50 anos, é casado e tem duas filhas. Ele saiu do Brasil em 1997, quando chegou na Europa para trabalhar em alguns restaurantes, passando pela Holanda, Espanha e Inglaterra, onde conheceu sua mulher, uma sulafricana. Não demorou muito para que eles decidissem ir morar na África do Sul. Por lá, Pedro trabalhou como chef em diversos hotéis. Atualmente ele é Executive Chef no Tramonto Boutique Hotel, que fica no coração de Newcastle.

“A África do Sul é um país com muitas influências culinárias, uma verdadeira mistura de sabores e culturas”, disse orgulhoso de viver por lá. Segundo Pedro, uma das sobremesas favoritas por lá é o Malva Pudding. Há quem dica que o malva pudding está para as famílias de Cape Town assim como o pudim de leite está para nós, brasileiros. Então com certeza é uma delícia!

Ingredientes
Pudim
180 gr de açúcar refinado
2 ovos
1 colher de sopa de geleia de damasco
150 gr de farinha de trigo
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
1/2 colher de chá de sal
1 colher de sopa bem cheia de manteiga sem sal (derretida)
1 colher de chá de vinagre
1/3 xícara chá leite

Calda
200 ml de creme leite
100 gr de manteiga
120 gr de açúcar
1/3 de xícara de chá de água quente
2 colheres de chá baunilha

Modo de preparo
Pré aqueça forno 180°C e unte uma assadeira. Bata o açúcar e os ovos na batedeira até que a mistura fique esbranquiçada. Adicione a geleia e bata mais um pouco. Adicione a manteiga derretida, sem deixar ferver, e o vinagre à mistura do açúcar batido com os ovos. Em um recipiente, misture a farinha, sal e o bicarbonato. Acrescente o leite e junte aos ingredientes anteriores, batendo até que eles se integrem. Coloque em assadeira e deixe no forno de 30 a 45 minutos.

Calda
Misture os ingredientes no fogo e mexa até derreter o açúcar. Coloque sobre o pudim assim que ele sair do forno. Sirva morno.

Goeie eetlus!

|Alemanha – Linsen mit Spätzle (lentilha com macarrão)

Linsen mit Spätzle, Alemanha (Foto: Katia Vettori)

Linsen mit Spätzle, Alemanha (Foto: Katia Vettori)

Katia Vettori mora na Europa há 26 anos. Ela e o marido viveram mais de 5 anos em Barcelona e depois eles se mudaram para Stuttgart, na Alemanha, onde vivem até hoje e onde tiveram um filho, que atualmente tem de 19 anos. Katia faz trabalhos voluntários, é “family manager”, pratico esportes e, como ela mesma diz, cultiva uma boa vida social. “Cozinhar para mim é um prazer e prezo pela qualidade dos ingredientes mais do que pelo requinte das receitas. Minha família e eu adoramos viajar, conhecer outras culturas e experimentar as delícias de cada lugar”, detalhou.

Katia sugeriu a receita alemã Linsen mit Spätzle’, um típico macarrãozinho com lentilhas e salsichas. Ela compra o macarrão pronto por lá. “Esse prato foi um dos primeiros que experimentamos assim que mudamos para cá e passou a ser frequente nas nossas refeições porque é uma boa combinação. Ele tem uma certa harmonia assim como arroz e feijão”, detalhou. No Brasil, Katia recomendou comprar um macarrão mais “gordinho”, com massa mais mole. Procure alguma massa com mais textura, dá para fazer uma interpretação.

Ingredientes
250 gr de lentilha
1 cebola
2 dentes de alho
1 cenoura média ralada
Salsinha picada a gosto
2 salsichas

Modo de preparo
Cozinhe a lentilha (prepare-a da mesma forma que você costuma fazer o feijão). Assim que estiverem cozidas, refogue a cebola e alho picados e os adicione a lentilha pronta. Acrescente a cenoura ralada, sal e deixe cozinhar por cerca de 15 minutos. Em seguida, adicione a salsinha picadinha. Isso dá um toque ao sabor e um colorido especial ao prato.

O próximo passo é colocar água para ferver em uma panela para cozinhar os Spätzle (ou a outra massa) e outra panela para as salsichas. Assim que estiverem prontas, escorra a água da massa e comece a preparar o prato. Coloque a massa, em seguida a lentilha por cima e finalize com a salsicha.

Dica: você pode substituir a salsicha por alguma linguiça. “A linguiça típica do sul deve ficar uma delícia”.

Guter Appetit!

|Arábia Saudita – Basbosa

Basbosa, Síria (Foto: Iris Cajé)

Basbosa, Arábia Saudita (Foto: Iris Cajé)

Iris Cajé é de Alagoas, mas vive na Arábia Saudita há 5 anos. Ela conheceu um saudita quando morava na Nova Zelândia e, assim que terminaram os estudos por lá, os dois foram juntos para a Arábia Saudita. Atualmente Iris mostra a cultura e a vida real de uma estrangeira no país através do Instagram @vidanasarabias e no seu canal do Youtube Vida nas Arabias.

Iris ensinou a fazer um dos doces mais populares do Oriente Médio, a Basbosa. O doce é facilmente encontrado em restaurantes e padarias e é famoso por ser muito fácil de preparar.

Ingredientes
1 e 1/2 copo de semolina
2 colheres de sopa de manteiga
1 colher de sopa de fermento
7 colheres de sopa de leite em pó
1 lata de creme de leite
4 colheres de sopa de açúcar
3/4 copo de coco ralado
1/2 copo de água ou leite (se precisar)
Calda de açúcar para finalizar

Modo de preparo
Coloque todos os ingredientes secos em uma tigela com excessão do açúcar e misture com uma colher. Bata no liquidificador a manteiga, o açúcar, o creme de leite e junte à tigela dos ingredientes secos mexendo bem até incorporar tudo. Caso fique muito grosso, adicione um pouco de água ou leite. A textura tem que ficar um pouco mais grossa que a massa de um bolo. Unte a forma com manteiga, coloque a massa e leve para assar a 180°C até que a massa fique dourada.

Enquanto isso, faça a receita tradicional da calda de açúcar, mas usando também uma canela em pau, 5 cardamomos e uma colher de chá de água de rosas (se tiver). Reserve. Enfie uma faca ou palito no centro da basbosa. Se sair limpo, está pronto.

Assim que tirar do forno, coloque a calda de açúcar por cima. Não precisa encharcar a massa, mas tem que umedecer bem. Reserve pelo menos uma hora antes de servir.

شهية جيدة!

|Argentina – Chocotorta

Chocotorta, Argentina (Foto: Renata e Jorge)

Chocotorta, Argentina (Foto: Renata e Jorge)

Renata Mastandrea é completamente apaixonada pela Argentina. Já tinha uma amiga que morava lá, então ela ia muito para o país. Entre idas e vindas foram cerca de 16 vezes com muita passagem aérea na promoção. “Sempre achei os argentinos lindos, gatos… A balada aqui é incrível. E sempre gostei muito do país. Falava sempre para minha mãe que precisava morar na Argentina. Eu não sabia o que tinha aqui para mim… Tinha o Jorge. Casei!”, contou. Jorge é argentino e os dois se conheceram no Happn, um aplicativo de relacionamentos, e são casados há 3 anos. Atualmente os dois trabalham como fotógrafos, eternizando momentos de turistas (@fotografo_em_buenos_aires), e Renata também atua com turismo receptivo e dá dicas incríveis no @mylittlebuenosaires.

Os dois preparam a Chocotorta, mas seguiram a receita do Jorge, “para ficar com o gostinho de licor”, como a própria Renata disse. Essa é uma sobremesa que surgiu da Argentina e preparação se origina da fusão de biscoitos de chocolate (geralmente “Chocolinas”) e uma mistura de doce de leite e cream cheese.

Ingredientes
300 gr de doce de leite
120 gr de cream Cheese
Bolachas de chocolate Chocolinas (ou semelhante vendida no Brasil)
Chocolate 70 % cacao
20 ml de licor mistela

Modo de preparo
Colocar na batedeira um pote de cream cheese + o pote de doce de leite e os 20 ml de licor. Bater até ficar um creme e misturar tudo depois deixar um pouco na geladeira!

Separe o chocolate 70% e derreta no microondas por 1 minuto e 15, mais ou menos, junto da manteiga para fazer a cobertura. Feito isso, banhe as que vão em cima e deixe na geladeira por aproximadamente 15 minutos.

Montagem
Na base da tigela coloque uma camada de bolacha molhada em café e uma parte do recheio, fazendo a primeira camada. Repetimos esse passo a passo mais 3 vezes! Você pode fazer quantas camadas quiser (costumamos fazer 3). Para finalizar a última camada, coloque as bolachas banhadas em chocolate junto do chocolate ralado.

Buen provecho!

|Austrália – Protein Balls (bolinhas de proteína)

Protein Balls, Austrália (Foto: Flavia Pavan)

Protein Balls, Austrália (Foto: Flavia Pavan)

Flavia Pavan tem 25 anos, mora em Sydney, na Austrália, há 3 anos e é chef de cozinha. A ideia inicial era passar um tempo por lá para aprimorar o inglês, mas ela acabou se apaixonando pelo estilo de vida. “Percebi que tinham muitas oportunidades para algo que eu amava fazer. Não fazia ideia que isso ia virar minha rotina, meu hobbie, minha paixão e meu trabalho”, disse. Seu primeiro trabalho foi lavando louças em um restaurante, mas não demorou muito para descobrir que sua grande paixão seria cozinhar. Não por acaso hoje ela trabalha no Opera House, ponto turístico mais famoso do país. Flavia mostra um pouquinho da sua rotina no Instagram @flaviapavan.

“Decidi investir no que realmente eu acredito, antigos modos, comida de raiz, comida de verdade, que não só nutria o nosso corpo físico , mas também a nossa alma. Fugir cada vez mais da facilidade das comidas congeladas e sentir o verdadeiro sabor do alimento da hortinha orgânica do quintal de casa”. Foi ai que ela criou o CURA (@healingfoodcura no Instagram), sua marca de produtos. “Envolve tudo que eu acredito e e claro, o principal tempero: amor”, completou. Ela aproveitou para compartilhar com a gente a receita das famosas protein balls, snacks saudáveis e fáceis de fazer.

Ingredientes
300 gr de tâmaras secas ou frescas (se for secas, deixe de molho na água por alguns minutinhos para amolecer e ficar mais fácil de bater.) Tire os carocos se caso tiver.
100 gr de farinha de amêndoas (você também pode usar farinha de coco ou de outras castanhas)
50 gr de pasta de amendoim
30 gr de aveia
50 gr de qualquer castanha de sua preferência triturada na faca para ficar os pedacinhos
2 colheres de maple syrup para adoçar a gosto (você pode usar mel, mas essa versão é vegana)
50 gr de coco ralado para cobrir a bolinha

Modo de preparo
Misture tudo no liquidificador e depois é só enrolar e cobrir com coco ralado. Caso a massa fique mole, basta incluir mais farinha de amêndoas e, antes de enrolar, coloque a mistura um pouco na geladeira.

Fica uma delícia e super saudável.

Enjoy!

|Alemannha – Grüne Soße (creme verde)

Grüne Soße, Alemanha (Foto: Francisco de Asis)

Grüne Soße, Alemanha (Foto: Francisco de Asis)

Francisco de Asiss é Dog Groomer em Hesse, na Alemanha, há mais de 15 anos. Ele também escreve para diversas revista sobre banho e tosa em cães, dá aulas, seminários e workshops sobre o assunto em algumas cidades da Europa e tem um quadro na TV aberta (VOX). “Neste programa eu faço um antes e depois nos animais para que eles tenham mais chances de conseguirem uma nova família”, explicou. Vale a pena ver as fotos desses cachorrinhos no seu Instagram @francisco_Hundesalon.

Francisco vem de uma família que já teve restaurantes em São Paulo e nos ensinou a fazer o Grüne Soße Frankfurt (creme verde de Frankfurt). Este prato tem até um Monumento no Bairro Oberrad, em Frankfurt, e é o único monumento na Alemanha dedicado a um prato de comida. Como é feito com ervas frescas, vale destacar que Hesse celebra a primavera com a festa da Salsa Verde e também tem um memorial do Green Sauce criado pela artista Olga Schulz. As pequenas estufas feitas de vidro em vários tons de verde representam as ervas desse molho verde de Frankfurt. Legal, né?

Ingredientes
De 150 a 200 gr de ervas frescas
– Sasinha
– Cebolinha francesa
– Cerefólio
– Brotos de arião
– Azeda, azeda-de-ovelha, língua-de-vaca ou azedinha
– Borrage, borraxa, Borracha, borracha-chimarrona ou foligem
– Pimpinela, pimpinela-hortense, pimpinela-menor, tintinela
700 gr iogurte natural
4 colheres de aopa de azeite de oliva
Suco de um limão
1 colher de sopa de mostarda
1 colher de chá de açúcar
Sal e pimenta do reino a gosto
De 4 a 6 ovos cozidos
Obs: sasinha, cebolinha e cerefolho são as mais dominantes, e a Borrage é a mais dispensável.

Mode de preparo
A primeira opção é picar bastante todas as ervas em uma bowl. Misture todos os outros ingredientes e adicione as ervas picadas. Quem prefere um molho mais líquido, pode colocar mais iogurte, e quem gosta mais cremoso pode por umas colheres de creme de leite em lata sem soro.

A segunda opção é colocar todas as ervas no liquidificador com os outros ingredientes e bater o suficiente até ficar uma textura homogênica, mas ainda com pedacinhos mais visíveis das ervas. Os ovos podem ser picados e misturados depois ou servidos como acompanhamento.

Normalmente este prato e acompanhado de batatas cozidas ou aspargos brancos.

Guter Appetit!

|Bélgica – Pão com Cogumelos e Queijo Camembert

Pão com cogumelos e queijo camembert, Bélgica (Foto: Daniella Garcia)

Pão com cogumelos e queijo camembert, Bélgica (Foto: Daniella Garcia)

Daniella Garcia deixou Cuiabá há 17 anos e se mudou para a Bélgica. “País que eu amei desde o primeiro dia em que cheguei, curtindo cada descoberta em todas as estações. Fui recebida, respeitada e amada desde o princípio”, disse. Daniella é casada, mãe de 2 filhos, 1 gato, 1 cachorro e CEO do receptivo BemBelga (@bembelga no Instagram), que faz roteiros personalizados, city tours, traslados e pacotes na Bélgica, em Luxemburgo e na Holanda, com atendimento em português e feito por pessoas locais. Ah! a BemBelga também faz atendimento personalizado para o festival Tomorrowland!

Daniella sugeriu um prato delicioso: pão tostado com cogumelos e queijo camembert. “Eu escolhi esse prato porque há 17 anos, quando cheguei, não curtia a comida daqui. Como sempre gostei de cogumelos, foi um perfect match”, finalizou.

Ingredientes
1 cebola média
2 dentes de alho
500 gr de cogumelos
200 gr de queijo camembert
Sal a gosto
Pimenta do reino a gosto
Cominho a gosto
Pitada de cúrcuma
Raspas de limão

Modo de preparo
Frite a cebola no azeite, acrescente os cogumelos frescos fatiados (não lave os cogumelos. Despele como se fosse cebola). Acrescente o alho. Coloque uma pitada de cada tempero mencionado acima e reserve. Coloque fios de azeite na frigideira, coloque o pão de forma, os cogumelos e o queijo por cima. Raspe limão por cima para dar um toque cítrico. Tampe a frigideira para derreter o queijo.

Goede eetlust!

|Canadá – Poutine

Poutine, Canadá (Foto: Rachel Pinho)

Poutine, Canadá (Foto: Rachel Pinho)

Rachel Pinho é de Fortaleza, mas já vive em Vancouver, no Canadá, há 5 anos. Ela é mãe de 2 adolescentes na High School, Co-fundadora e Diretora de Operações da Maple Exchange Programs (@mepcanada_intercambio no Instagram). “Assim consigo continuar aqui na minha paixão pela área da educação”, explicou. Ela se diz uma ótima cozinheira e confessou se apaixonar cada vez mais pela culinária depois que imigrou. Isso fez com que ela tivesse que botar a mão na massa… Literalmente!

Apesar de constantemente preparar pratos brasileiros para matar a saudade de casa, Rachel preparou para nós o Poutine que, por excelência, é o mais tradicional prato canadense. Ele surgiu na província de Quebec, no Canadá, por volta dos anos 50 e faz parte do cardápio de todos os restaurantes, incluindo redes de fast food.

Ingredientes
Para o molho Gravy:
3 colheres de sopa de amido de milho
2 colheres de sopa de água
6 colheres de sopa de manteiga sem sal
1/4 de xícara de farinha de trigo
600 ml de caldo de carne
300 ml de caldo de galinha
Sal e pimenta-do-reino a gosto
Obs: esses caldos podem ser caseiros ou comprados prontos. O que ficar mais gostoso e fácil (mas com qualidade, sal no ponto e sem sabor artificial). No Canadá temos muitas opções de bons caldos líquidos prontos (carne, galinha, peru, etc).

Para as batatas fritas:
1 kg de batatas (aqui usei batatas Rousset, mas pode usar outra parecida ou até mesmo as congeladas já cortadas)
Óleo para fritar

Para a cobertura
De 1 a 1,5 xícaras de “cheese curds” (coalhos de queijo). Aqui no Canadá, para Poutine, usa-se coalhos do queijo cheddar branco, antes de por para envelhecer. É fácil encontrar “cheese curds” em vários supermercados. Mas caso não seja possível, você pode usar pedaços de queijo coalho brasileiro mole ou de muçarela (rasgando os pedaços com as mãos). Não pode ralar o queijo e tem que usar pedaços grandinhos para que não derretam totalmente ao colocar o gravy.

Modo de preparo
Gravy
Dissolver o amido de milho na água. Reservar.
Em uma panela grande, derreter a manteiga. Adicionar a farinha mexendo sempre por aproximadamente 5 minutos ou pouco mais, até que a mistura fique com cor marrom dourada. Adicionar os caldos de carne e de galinha mexendo até levantar fervura. Misturar metade da mistura do amido de milho e ferver por mais ou menos um minuto. Ver a consistência e, se quiser o gravy mais grosso, colocar mais da mistura do amido aos poucos. Aqui usei pouco mais da metade dessa vez.

O gravy tem que ficar numa consistência nem muito líquida, nem muito grossa, mas que possa “ensopar” um pouco as batatas. Temperar com pimenta-do-reino a gosto. Provar o sal. Adicionar sal se necessário a gosto. Cuidado caso os caldos já forem salgados. Fazer o gravy antes de fritar as batatas e reaquecer se necessário quando elas tiverem prontas.

Batata fritas
Lavar e preparar as batatas. Cortar em largura típica para fritas (aproximadamente 1,2cm de largura). Colocar numa tigela grande e cobrir completamente com água fria por uma hora no mínimo. Quando prontas para fritar, esquentar o óleo numa panela grande até 150°C. Tirar as batatas da água e secar bem no papel toalha. Enxugar as batatas de todos os lados para tirar o máximo de umidade possível.

Colocar as batatas dentro do óleo e fritar por 5 a 8 minutos só até que comecem a ficar cozidas, mas ainda não douradas. Tirar as batatas do óleo e deixar em um escorredor ou papel toalha. Aumentar a temperatura do óleo para 190°C. Recolocar as batatas para fritar até ficarem douradas no ponto dessa vez. Tirar as batatas e deixar escorrer no papel toalha.

Obs: assim fiz as batatas para essa receita. Deixo aqui como dica esse processo em duas etapas, para obter batata fritas bem crocantes por fora e no ponto por dentro. Mas cada um pode fritar suas batatas como preferir.

Finalmente, La Poutine!
Escolher um prato fundo de sua preferência, colocar as batatas fritas quentinhas e temperar com um pouco de sal quando ainda quentes. Adicionar uma concha de gravy sobre as fritas. Com um pegador ir misturando algumas batatas ao gravy. Adicionar mais gravy cobrindo a maioria das fritas. Adicionar os pedaços de queijo e adicionar um pouco mais de gravy e misturar com o pegador e com cuidado. Polvilhar com o moedor a pimenta-do-reino fresca, e servir imediatamente!

Bon appétit!

|Chile – Sopaipilla

Sopaipilla, Chile (Foto: Priscila Pasquali)

Sopaipilla, Chile (Foto: Priscila Pasquali)

Priscila Pasquali mora no Chile há 5 anos e trabalha com turismo desde que chegou no país. Ela, inclusive, tem um Instagram @dicasdapri_chile, onde mostra como é a dinâmica dos passeios voltados para brasileiros que são vendidos na agência. “São lugares que o cliente 99% das vezes não vai conhecer por conta própria. Envolve dirigir na Cordilheira dos Andes e, muitas vezes, na neve. São cerca de 8 passeios vendidos pela agência e praticamente todo brasileiro que vem para cá contrata ao menos 4 deles”, explicou.

Ela aproveitou para nos ensinar a fazer um prato cheio de recordações, a sopaipilla. “A primeira vez que eu comi foi quando eu cheguei aqui e fui para a casa da avó do meu namorado. Ela fez a receita bem tradicional”, explicou. Segundo Priscila, o prato é algo que você vai encontrar da barraquinha de rua até em um restaurante mais bacana. Ela aconselha comer a sopaipilla acompanhada de um vinagrete.

Ingredientes
2 xícaras (280 gr) de farinha de trigo
1 xícara de água morna
1 colher de chá de fermento
1 colher de chá de manteiga
1 pitada de sal
1 xícara de óleo para fritar

Modo de preparo
Para começar a preparar a massa das sopaipillas, misture a farinha, o fermento, o sal e a água lentamente usando as mãos. Acrescente a manteiga e sove até obter uma massa lisa e compacta, que não gruda. Cubra com um pano e deixe repousar por 15 ou 20 minutos. Modele bolas de massa e abra com os dedos ou com a ajuda de um rolo. Esquente o óleo para fritar e adicione as rodelas de massa quando estiver bem quente. Deixe fritar até que elas fiquem infladas e douradas dos dois lados. Sirva.

Buen provecho!

|Colômbia – Peixe Frito com Arroz de Coco e Patacones

Peixe frito com arroz de coco e patacones, Colômbia (Foto: Juliana Rotta)

Peixe frito com arroz de coco e patacones, Colômbia (Foto: Juliana Rotta)

Juliana Rotta é de São Paulo, mas há 3 anos mora em um dos paraísos caribenho, Cartagena, na Colômbia. Depois de namorar muito tempo à distância com um venezuelano, os dois se casaram e foram para a Colômbia quando seu marido recebeu uma proposta de emprego. Juntos, criaram a The Experience Travel (@thexperiencetravel no Instagram), uma agência de viagens em Cartagena especializada em receber brasileiros. “Hoje em dia trabalhamos com os principais passeios, tours, roteiros personalizados, experiências em Cartagena, Bogotá e Medellin”. O Instagram também é cheio de dicas e fotos incríveis do destino.

Juliana aproveitou para nos ensinar a fazer uma receita bem caribenha: Peixe inteiro frito com arroz de coco e patacones. “O arroz de coco é muito popular em Cartagena. É um prato tradicional perfeito para acompanhar peixes e frutos do mar”, explicou. “Os patacones são fáceis de preparar e podem ser servidos como entrada acompanhados de guacamole”, sugeriu.

Peixe
Ingredientes
2 peixes limpos (pacu ou tilápia) e sem escamas
1 dente de alho picado
1 colher de sopa de páprica (páprica doce)
1 pitada de pimenta do reina
1 pitada de chá de sal grosso
2 colheres de sopa de amido de milho (maizena)
Óleo para fritar

Modo de preparo
Faça 3-4 cortes diagonais em ambos os lados de cada peixe. Tempere cada peixe com uma pitada de pimenta, páprica, alho e uma pitada de sal. Espalhe bem o sal e a pimenta, certificando-se de que entre nos cortes. Espalhe cada peixe com amido de milho. Frite por 4-5 minutos de cada lado até dourar. Retire do óleo e coloque em papel toalha para drenar o excesso de óleo. Servir.

Arroz de Coco
Ingredientes
2 xícaras de leite de coco enlatado ou fresco
1 xícara de arroz
1 colher de chá de sal
2 xícaras de água
2 colheres de sopa de açúcar
1/3 xícara de passas

Modo de preparo
Coloque o leite de coco em uma panela e cozinhe em fogo médio por cerca de 30 minutos, raspando o fundo da frigideira de tempos em tempos para impedir que o coco queime. Acrescente o arroz e cozinhe, mexendo sempre, até ficar todo erro ficar caramelizado. Adicione a água, passas, sal e açúcar. Deixe ferver, mexendo uma vez. Reduza o fogo para baixo e cozinhe. Cubra por cerca de 20 minutos ou até o arroz ficar macio e a água absorvida. Retire do fogo e deixe descansar por 5 minutos. Sirva quente e aproveite.

Patacones
Ingredientes
Banana da terra verde
Sal
Alho amassado

Modo de preparo
Os patacones, são rodelas de banana verde que são fritas duas vezes. Descasque a banana verde em rodelas e frite em óleo quente até amolecer. Em seguida, escorra e esmague para que ela fique com uma forma redonda. Passe no ssar no sal e no alho amassadinhos e frite novamente até ficar dourado.

Buen provecho!

|Colômbia – Arepa

Arepa, Colômbia (Foto: Angelo Rosa)

Arepa, Colômbia (Foto: Angelo Rosa)

Angelo Rosa tem 47 anos e mora em Bogotá, na Colômbia, entre idas e vindas, tem 20 anos de história no país. Ele é Chef de Cozinha no restaurante Alô Brasil (@alobrasilcol no Instagram) e apesar de atualmente se dedicar à preparar pratos brasileiros, estudou afundo a gastronomia colombiana “porque precisava entender dela para poder explicar as diferenças com a cozinha brasileira”, como ele mesmo disse.

Ele fez duas receitas para nós. A primeira delas é a Arepa Colombiana, consumida em todo o país geralmente no café da manhã e nos lanches. Elas são como um pão de milho e podem ser recheadas com vários ingredientes como queijo, carne, ovos etc. A palavra arepa tem origem no termo erepa, que significa broa de milho em línguas indígenas da Colômbia e Venezuela.

Ingredientes
(receita para 12 porções)
2 xícaras de farinha de milho fina
4 xícaras de água
1/2 xícara de queijo mozarela picadinho
Sal e pimenta a gosto
Aceite e manteiga

Modo de preparo
Misturar a farinha com a água. Agregar o queijo, o sal e a pimenta. Sovar bem. Fazer bolinhas e logo aplanar com a mão ou com dois pires fazendo pressão para criar um circulo. Você pode fazer a arepa do tamanho que desejar. Aqui fizemos uma tamanho coquetel.

Logo na frigideira, colocar meia colherzinha de aceite e meia de manteiga. Quando estiver quente, colocar as arepas. Deixar de um lado cerca de 5 minutos ou até que estejam com uma casquinha crocante. Virar e deixar tostar do outro lado.
Ao comer, você pode colocar sobre elas mais queijo, vinagrete, carne moída preparada ou qualquer recheio que você gostar! A mesma receita pode ser feita no forno.

Buen provecho!

|Colômbia – Sancocho Trifásico

Sancocho Trifásico, Colômbia (Foto: Angelo Rosa)

Sancocho Trifásico, Colômbia (Foto: Angelo Rosa)

A segunda receita sugerida por Angelo Rosa, que vive na Colômbia e é chef no restaurante Alô Brasil (@alobrasilcol no Instagram), é o Sancocho Trifásico. A origem do Sancocho vem do Cozido Espanhol e dos estofados europeus. Muito consumido pelas famílias colombianas, é um prato típico em todo o país. O Sancocho tem várias versões, como de peixe, de frango e carne. Aqui temos a receita do Trifásico.

Ingredientes
(Receita para 6 porções)
Meio quilo de frango (coxa/sobre coxa)
Meio quilo de costelinha de vaca picada
Meio quilo de costelinha de porco picada
1 cebola branca picada
1 pimentão verde picado
1 pimentão vermelho picado
2 tomates sem pele picados
2 batatas descascadas e cortadas em pedaços
2 mandiocas médias cortadas em pedaços
1 plátano verde ou uma banana verde cortada em pedaços
2 milhos verdes picados
2 dentes de alho finamente picados
2 colheres de sopa de azeite
Coentro a gosto
Temperinho verde a gosto
Sal e pimenta a gosto
1,5 litros água

Modo de preparo
Leve uma panela de barro ou de ferro de preferência, ou uma panela grande ao fogo com o azeite. Agregar a cebola, a costelinha de vaca, a de porco e o frango. Fritar até que estejam dourados. Acrescentar o alho e depois o tomate e os pimentões. Deixar cozinhar por 5 minutos e acrescentar a água.

Quando começar a ferver, colocar a mandioca, as batatas, o milho e o plátano ou banana. Acrescentar o sal e a pimenta. Fechar e deixar cozinhar por aproximadamente uma hora e meia (30 minutos se usar panela de pressão). O ponto será uma sopa cremosa. Colocar o coentro, o temperinho verde e retificar o sal. Servir com arroz branco.

Buen provecho!

|Coreia do Sul – Kimbap

Kimbap, Coréia do Sul (Foto: Thalita de Abreu)

Kimbap, Coréia do Sul (Foto: Thalita de Abreu)

Thalita de Abreu vive na Coreia do Sul há 4 anos. O principal objetivo? Aprender coreano para iniciar um mestrado no futuro. “As coisas fugiram um pouco do meu planejamento e me tornei professora aqui”, disse. Hoje em dia ela trabalha em uma pré-escola e vive com o marido, que é coreano. Isso foi um impulso para ela aprender a fazer comida coreana. “Agora não vivo mais sem”, completou. Ela compartilha um pouco sobre como é viver no país através do seu canal no Youtube, Lita Gim, e no Instagram @gimlita.

Thalita nos ensinou a fazer Kimbap, o “sushi coreano”. Ele também é feito com arroz cozido e enrolado com outros ingredientes na alga. Há duas versões diferentes que explicam a origem do prato. A primeira diz que ele foi derivado do norimaki, uma variante de sushi introduzida na Coreia durante a ocupação japonesa. A segunda diz que o Kimbap foi desenvolvido a partir da tradição local de enrolar o bap (arroz cozido) e o bancha (acompanhamentos) na alga.

Ingredientes
400g de arroz japonês/coreano já pronto e na temperatura morna (Prepare do jeito que indica na embalagem.)
2 folhas de alga para sushi
1 colher de chá de óleo de gergilim
1 colher de chá de gergilim torrado (opcional)
Metade de uma colher de chá de sal
1 lata de atum de 200 gr
3 colheres de sopa de maionese
4 tiras de kani
Picles de nabo – danmuji (opcional)
Pepino
50 gr de peça de presunto

Modo de preparo
Tempere o arroz já cozido com 1 colher de chá de óleo de gergilim, 1 colher de chá de gergilim torrado e metade de uma colher de chá de sal. Reserve. Corte o pepino e o presunto em tiras grossas na diagonal. Caso prefira usar o picles de nabo (danmuji) retire toda a água dele e reserve. Unte uma frigideira com óleo e frite as tiras de presunto. Reserve. Desfie o kani e reserve junto com os outros ingredientes já preparados. Retire todo o óleo do atum e misture bem 3 colheres de sopa de maionese.

Montagem
Prepare uma esteira para sushi. Caso não tenha, não tem problema. Coloque o lado brilhoso da alga para baixo na esteira ou em alguma superfície lisa e seca. Espalhe uma camada fina de arroz pela alga e deixe 1 centímetro de espaço na ponta, sem arroz. Deixe a camada de arroz de meio centímetro no máximo, sem deixar buracos e bem uniforme. Coloque a metade do atum com maionese 2 centímetros antes da ponta da alga que foi coberta pela camada de arroz. Coloque os outros ingredientes por cima do atum com maionese.

Como enrolar
Caso tenha a esteira, não use agora. Enrole o kimbap sem a esteira comecando pela parte recheada até o fim. Agora é a hora de usar a esteira: enrole o kimbap mais uma vez pressionando-o sem muita força para que ganhe forma. *Caso não tenha esteira, você pode fazer isso com as mãos sem nenhum problema, apenas tenha cuidado para não quebrar a alga.

Pincele óleo de gergilim pela alga. Fatie o kimbap usando uma faca de corte em tiras de tamanho médio. Ficam aproximadamente 10 ou 11 tiras.

좋은 식욕

|Costa Rica – Gallo Pinto

Gallo Pinto, Costa Rica (Foto: Caio Rosa)

Gallo Pinto, Costa Rica (Foto: Caio Rosa)

Caio Rosa é um apaixonado pela Costa Rica. E basta 5 minutos de conversa com ele para você querer fazer as malas e ir conhecer o país. “Aqui é incrível. Quando cheguei achei que não ia me acostumar, mas por incrível que pareça eu só volto para o Brasil de férias. É perfeito!”, disse. Ele mostra um pouquinho da paixão pelo país no Instagram @caiorosachef. Segundo Caio, as pessoas cuidam muito bem do corpo, preferem comidas leves e as refeições têm sempre frutas, arroz integral, suco natural, etc. Caio chegou na Costa Rica em novembro de 2019 e trabalha como chef no Ranchos Itaúna (@ranchositauna no Instagram), em Santa Teresa, um hotel pertinho da praia e com dona brasileira!

Caio preparou um Gallo Pinto, prato típico da Costa Rica que tem como base o arroz e feijão e, segundo ele, lembra o baião de dois. Curiosidade: o Gallo Pinto pode ser consumido em qualquer refeição do dia, mas normalmente é servido no café da manhã, acompanhado de ovos mexidos ou fritos e banana da terra grelhada.

Ingredientes
1/2 cebola cortada em cubos
1 pimentão vermelho cortado em cubos
2 dentes de alho picados
1/4 colher de chá de sal
1/2 xícara de arroz cozido,
3/4 xícara de feijão preto cozido ou enlatado
1 maço de coentro
Molho lizano (molho de vegetais e especiarias)

Modo de preparo
Refogue a cebola e o pimentão em uma panela com um pouco de óleo em fogo médio. Mexa constantemente para não grudar, até que a cebola esteja bem dourada e translucida. Adicione o alho e refogue por mais 1 minuto. Acrescente o feijão cozido e o molho lizano e mexa. Acrescente o arroz cozido em seguida e mexa mais um pouco. Sirva acompanhado de um ovo frito e banana grelhada.

Buen provecho!

|Croácia – Risoto Nero

Arroz Nero, Croácia (Foto: @descubra_dubrovnik)

Arroz Nero, Croácia (Foto: @descubra_dubrovnik)

Priscila é paulista e mora em Dubrovnik, na Croácia, há quase 13 anos. Ela é casada com um croata e esse, claro, foi o principal incentivo para ela se mudar para o país. Priscila é licenciada pelo ministério do turismo croata e desde 2010 trabalha como guia e faz tours em português por lá. “Meu maior público é de turistas que preferem passeios privativos/particulares não só em Dubrovnik, mas sim em toda a Croácia”, explicou. No site www.descubracubrovnik.com é possível encontrar todos os passeios. Ela também compartilha muitas dicas no Instagram @descubra_dubrovnik.

Priscila nos ensinou a fazer o risoto nero, que fica com o arroz preto por conta da tinta da lula. A Croácia tem uma longa costa, com cerca de 1800 quilômetros de extensão, e por isso sua culinária é rica em frutos do mar.

Ingredientes
500 gr de lula picada
1 xícara de arroz branco
Salsinha a gosto
1 cebola,
2 dentes de alho
Azeite
Sal a gosto
Pimenta a gosto
Sepia da lula para dissolver em água (pacotinhos são vendidos em empórios)

Modo de preparo
Limpe e lave as lulas. Em seguida, corte-as em pequenos pedaços. Em uma panela, refogue a cebola e o alho no azeite e acrescente a salsinha. Acrescente as lulas picadas e refogue por 5 minutos. Dissolva a sepia em água de acordo com a embalagem e prepare o líquido negro. Acrescente o líquido e o arroz na panela. Deixe cozinhar de 10 a 15 minutos. Acrescente a pimenta e o sal e sirva quente.

Dobar apetit!

|Emirados Árabes – Comida árabe

Comida Árabe, Dubai (Foto: Giovanna Curi)

Comida Árabe, Emirados Árabes (Foto: Giovanna Curi)

Giovanna Curi mora há 6 anos em Dubai, nos Emirados Árabes. Você provavelmente vai se apaixonar pelas fotos que ela posta no Instagram @giovannacuri … Ela é fotógrafa profissional há 10 anos e faz imagens incríveis de turistas por lá, principalmente casais em lua de mel, famílias e ensaio solo. No perfil da rede social ela também compartilha algumas dicas de Dubai e Abu Dhabi, além de receitinhas deliciosas. Não é por acaso que ela também trabalha com guias de turismo fazendo um “acompanhamento fotográfico” pelas cidades. Tailândia e Maldivas também são outros destinos onde ela trabalha!

Giovanna preparou um verdadeiro jantar árabe com tudo que temos direito: homus, babaganuche, quibe e tabule. Vale lembrar que a culinária árabe tem raízes milenares e tem sabores únicos.

Homus
Ingredientes
300 gr grão de bico seco in natura
1 colher de sobremesa de bicarbonato
1 dente de alho
100 gr de tahine (pasta de gergelim)

Modo de preparo
Coloque o grão de bico em uma vasilha com água quente, o bicarbonato e 1 dente de alho, até que solte a casquinha. Esse processo demora de 6 a 12 horas. Depois, cozinhe o grão de bico e misture com o tahine e o alho no liquidificador.

Babaganuche
Ingredientes
3 berinjelas grandes
5 dentes de alho
Meia cebola grande
Suco de 1 limão
Salsinha a gosto
Hortelã a gosto
2 colheres de sopa de tahine
1 pepino pequeno
Romã a gosto

Modo de preparo
Lave as berinjelas e faça pequenos furos com o garfo. Em uma assadeira coberta com papel alumínio, coloque as berinjelas no forno a 180°C e deixe assar até que a casca fique queimadinha. Retire do forno, espere esfriar, tire o recheio da casca e coloque em um recipiente. Acrescente alho quente (coloque no microondas e esquente até que fique bem mole), meia cebola picada, suco de limão, a salsinha, o hortelã, o tahine e misture tudo no liquidificador. No Oriente Médio é comum acrescentar pepino picado e romã. Acrescente se quiser.

Quibe
Ingredientes
250 gr de trigo para quibe
500 gr de carne moída
3 dentes de alho picado
1 cebola grande picada
Salsinha a gosto
Hortelã a gosto

Modo de preparo
Para desidratar a farinha de trigo para quibe, coloque-a em um recipiente com 500 gr de água natural e espere aproximadamente 30 minutos. Tire a água, coloque em um pano limpo e seco, faça uma trouxinha e aperte até a farinha ficar bem seca.

Misture a farinha de trigo já hidratada, a carne, a salsinha, o hortelã, a cebola, o alho e os temperos até formar uma massa. Reserve. Divida a massa em formatos de quibe e coloque para assar ou fritar. Você também pode comer cru ou, em um recipiente, faça receado com nata (uma cada de quibe, uma de nata e mais uma de quibe). Coloque no forno até dourar.

Tabule
Ingredientes
50 gr de trigo para quibe
Um maço de salsinha
Hortelã a gosto
1 tomate picado
1 pepino picado
Meia cebola grande
2 dentes de alho
Romã a gosto

Modo de preparo
Hidrate a farinha de trigo para quibe como feito anteriormente. Pique todos os ingredientes e misture com a farinha de quibe. Quanto mais miúdo, mais gostoso vai ficar.

Sirva todas as receitas na mesa acompanhado de pão.

شهية جيدة

|Escócia – Cranachan

Cranachan, Escócia (Foto: Denise @vidanaescocia)

Cranachan, Escócia (Foto: Denise @vidanaescocia)

Anelise vive na costa de Fife, na Escócia, com a família. Ela faz doutorado em Política na Universidade de Edimburgo, onde também trabalha como instrutora do curso de desenvolvimento sustentável. Além disso, é fotógrafa e tem um blog onde mostra tudo sobre a Escócia www.vidanaescocia.com.br, @vidanaescocia no Instagram. Em paralelo, organiza passeios e tours pelo país. Que tal para a próxima viagem?

Denise aproveitou para nos ensinar a fazer Cranachan, uma sobremesa típica das Terras Altas na Escócia. O doce leva dois dos principais itens de consumo local: whisky e aveia.

Ingredientes
50 gr de açúcar
125 gr de aveia em flocos grossos
450 gr de framboesas (ou qualquer outra fruta)
3 colheres de sopa de whisky
1½ colheres de chá de extrato de baunilha
450 ml de creme de leite batido, ou chantilly, ou creme de coco batido

Modo de preparo
Para fazer a aveia caramelizada, coloque metade do açúcar com 2 colheres de sopa de água em uma panela pequena em fogo baixo e deixe por 5 minutos. Em seguida, em uma frigideira, toste a aveia, mexendo-a sempre. Quando a calda de açúcar estiver em ponto de mel, adicione a aveia à panela e misture, para caramelizar a aveia. Transfira a aveia caramelizada, ainda quente para uma assadeira, espalhe-a (para que fique mais fácil de quebrar depois) e deixe esfriar.

Enquanto isso, coloque as frutas em uma panela, com o resto do açúcar, em uma panela média, e aqueça até que fique com consistência de um purê. Agora adicione o whisky e a baunilha ao creme de leite e bata até formar picos. Em seguida, incorpore quase toda a aveia (separe um pouco para decorar), misturando com um garfo ou colher. Quebre a aveia, se necessário, para que os flocos caramelizados não fiquem muito grandes.

Montagem
Alterne camadas: uma do creme, uma de fruta, e decore com o resto da aveia e alguma fruta, ou o que sua criatividade sugerir.

Deagh mhiann!

|Estados Unidos – Almôndegas de Salmão

Amôndega de Salmão, Estados Unidos (Foto: Erica Mauricio)

Amôndega de Salmão, Estados Unidos (Foto: Erica Mauricio)

Erica Mauricio é nutricionista, mora em San José, na Califórnia, Estados Unidos e tem um filho, Cauã, de 5 anos. “Diariamente tento diversificar a alimentação e encontrar opções saudáveis, já que aqui é o país dos industrializados”. Segundo ela, a Califórnia é o Estado que possui mais alimentos orgânicos e uma culinária muito parecida com a brasileira. “Existe uma influência mexicana, então fica fácil encontrar alguns produtos consumidos por nós”, completou.

A receita que ela preparou para nós é uma variação do salmão, já que por lá é algo barato e consumido quase sempre assado. “A almôndega é um prato muito consumido por crianças, então pensando no meu filho, criei esta receita e acompanhei com um delicioso fettucine ao molho de espinafre”, finalizou.

Ingredientes
500 gr de salmão sem pele e sem espinhos (pode ser substituído também por tilápia)
Cebola
Alho
Alho poró
Sal a gosto
Endro ou dill a gosto
Salsinha (aqui é conhecido como Parsley)
150 gr de brócolis e cenoura ralados (pode usar qualquer outro legume como abobrinha, abóbora, etc)
Farofa de pão para dar liga (eu assei o pão até virar torrada e depois ralei)

Modo de preparo
Bater com um mixer todos os ingredientes acima, exceto a farinha e sal. Passar essa massa para um bowl e ir acrescentando farinha de pão até dar liga. Acrescentar o sal. Em uma assadeira forrada com papel alumínio, colocar as bolinhas da almôndega e borrifar com um pouco de óleo. Levar para assar por no minimo 40 minutos, ou retirar quando estiverem coradas e assadas por dentro. Servir com uma massa á base de molho branco ou um purê.

Enjoy your food!

|Estados Unidos – Caçarola de Frango com Arroz

Caçarola de frango e arros, Estados Unidos( Foto: Selma Quarterone)

Caçarola de frango e arros, Estados Unidos( Foto: Selma Quarterone)

Selma Quarterone, de 56 anos, atualmente mora em Champaign, Illinoiss. Ela vive nos Estados Unidos há 5 anos e se mudou porque seu marido foi transferido dentro da empresa em que trabalhava no Brasil. Selma é daquelas que adora fazer pratos brasileiros para matar a saudade do país. Mas na hora de sugerir um prato dos EUA, nada de hambúguer com batata frita.

Ela preparou uma bela caçarola de frango e arroz. “Amo fazer esse prato. É simples e um prato completo. Não se esqueça de abrir um vinho e tomar enquanto você prepara ao som de uma música gostosa”, disse. Para quem não sabe, a caçarola faz parte da mesa do Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos, o famoso “Thanksgiving Day”.

Ingredientes
600 a 800 gr de sobrecoxa de frango (sem pele)
2 linguiças calabresa cortadas em rodelas
Bacon cortado
2 xícaras de arroz (lavado)
1 repolho pequeno cortado grosseiramente
1 brócolis cortado
1 cebola grande picada
3 dentes de alho picados
2 cubos de caldo Knorr (pode ser de bacon ou de frango)
Sal, pimenta-do-reino e açafrão a gosto
200 gr de muçarela ralada
Cebolinha picadas
Vinho ou vinagre
Alecrim
Água fervida
3 folhas de louro

Modo de preparo
Enquanto você pica os ingredientes, deixe o frango marinando no vinho ou vinagre com o açafrão e alecrim. Coloque o alho, a cebola e o louro na panela com a linguiça e o bacon. Depois que dourar, acrescente o frango com o caldo do vinho ou vinagre. Acrescente o açafrão e os cubos de Knorr.

Misture e acrescente o arroz, mexa e coloque a água fervida. Quando estiver borbulhando, coloque o brócolis, o repolho e um pouco mais de água (até que você sinta que o arroz está no ponto). Para finalizar, coloque a cebolinha e o quejo. Espere derreter e sirva quente.

Obs: tem que sempre mexer do fundo pra cima quando estiver quase no fim para não queimar.

Enjoy your food!

|Espanha – Tortilla de Patatas

Tortilla de Patatas, Espanha (Foto: Juliana Francini)

Tortilla de Patatas, Espanha (Foto: Juliana Francini)

Juliana Francini sempre quis morar na Espanha. Então se mudou e começou a procurar trabalho. Ela é jornalista e não demorou muito para conseguir um emprego na área. Ela completou 4 anos em Madri e atualmente trabalha com jornalismo esportivo, que sempre foi uma grande paixão.

A Ju nos ensinou a preparar um clássico espanhol, tortilla de patata, uma espécie de omelete com ovos e batatas. “Foi uma das primeiras receitas que aprendi quando cheguei aqui na Espanha. Qualquer espanhol que se preze sabe fazer uma tortilla de patatas”, disse. Ela pode ser comida quente ou fria! A primeira menção à tortilha foi em um documento de Navarra, o Memorial de La ratonera, em 1817. Esse era um prato muito consumido pelos camponeses na época, já que era fácil de fazer, além de ser muito nutritivo e ter baixo custo.

Ingredientes
6 ovos
3 batatas
1 cebola
Azeite extra virgem
Sal

Modo de preparo
Descascar as batatas e cortar em rodelas fininhas. Juntar com a cebola picada e acrescentar sal. Levar tudo a uma frigideira e cobrir toda a mistura com azeite em fogo médio até dourar. Tirar da frigideira e deixar escorrer totalmente o azeite.

Bater a mão todos os ovos e juntar com a mistura do passo 1, colocando sal a gosto e misturando bem. Untar uma frigideira antiaderente com azeite (pode reutilizar a sobra do passo 1) e jogar a mistura, de maneira homogênea e bem distribuída. Deixar em fogo baixo.

Quando a parte de baixo estiver no ponto (em 5 minutinhos ou menos), virar a tortilla com a ajuda de um prato, e deixar até que o outro lado também chegue no ponto desejado. Pode ser servida sozinha, com pão ou outro acompanhamento a gosto. Além disso, pode-se comer fria ou quente, como preferir.

Buen provecho!

|Filipinas – Adobo de Frango

Adobo de Frango, Filipinas (Foto: Jéssica @umabrasileiranasfilipinas)

Adobo de Frango, Filipinas (Foto: Jéssica @umabrasileiranasfilipinas)

Jéssica é a dona do Instagram @umabrasileiranasfilipinas. Ela é brasileira, mas viveu durante 2 anos no país que muita gente sonha em conhecer (inclusive eu!). Ela se mudou para a Ásia com o noivo, que recebeu uma proposta de trabalho por lá. Atualmente eles estão no Brasil, mas tem muito vídeo sobre as Filipinas no canal do Youtube Uma Brasileira nas Filipinas.

O adobo de frango é um dos pratos mais tradicionais das Filipinas e um dos favoritos de Jéssica. Tem como principais ingredientes o frango ou o porco (ou a mistura dos dois) e, claro, um molho inconfundível. “Esse prato ganhou meu coração. O molho adocicado é sensacional e muito fácil de fazer”, disse.

Ingredientes
1 kg de coxa e sobrecoxa de frango
3 colheres de sopa de vinagre
1/2 xícara de shoyu
Pimenta a gosto (geralmente se usa jalapeño e pimenta preta)
5 dentes de alho
1 cebola grande
1 folha de louro
2 colheres de açúcar
Sal a gosto
1/2 xícara de água
Óleo

Modo de preparo
Tempere o franco com o alho, cebola, sal e pimenta (nas Filipinas eles usam muita pimenta). Em uma panela, coloque uma quantidade de óleo que dê para fritar o frango, porém não é necessário muito a ponto de cobrir os pedaços inteiros. Depois de todos os pedaços de frango fritos, retire da panela e reserve. Na panela com o óleo, acrescente o shoyu, o vinagre, o louro, o açúcar, o sal e um pouco mais de pimenta conforme seu gosto. Coloque água e mexa bastante. Deixe fervendo por 5 minutos. Em seguida, coloque o frango frito nesse molho, cozinhe por mais 15 minutos e pronto. Sirva com arroz.

Mabuting gana!

|Finlândia – Sopa de salmão

Sopa de salmão, Finlândia (Foto: Tamy)

Sopa de salmão, Finlândia (Foto: Tamy)

Tamy é brasileira, mas mudou para o Japão quando ainda era adolescente. Foi lá que ela conheceu o seu marido, Olli, que é finlandês. Os dois moraram no Japão por 2 anos até decidirem se mudar para Helsinki, na Finlândia, há 5 meses. “Estou aguardando o processo do visto para poder aplicar para faculdade em 2021”, disse. Tamy compartilha um pouco da vida por lá no Instagram @tamynafinlandia, e no canal do Youtube tamynafinlandia.

Vivendo em um país nórdico, Tamy nos ensinou a preparar uma comida perfeita para os dias mais frios. “Quando você muda para cá, as pessoas indicam muito a sopa de salmão para você provar”, disse, acrescentando que é possível encontrar o prato em quase todos os restaurantes do país. “Como temos um inverno longo, é um prato agradável para esquentar o corpo”, finalizou.

Ingredientes
500 gr de salmão sem pele e cortado em pedaços grandes
10 batatas descascadas e cortadas em pedaços
3 cenouras em fatias
1 cebola em fatias finas
1 alho-poró em fatias finas
1 litro de água
Sal a gosto
Manteiga
1/4 de colher de chá de pimenta branca
1/2 colher de chá de pimenta da Jamaica
1 folha de louro
1/2 lata de creme de leite
Endro a gosto

Modo de preparo
Derreta um pedaço de manteiga em uma panela pequena e refogue o alho-poró e a cebola. Eles precisam ficar translúcidos e marrons. Em uma panela com água quente, adicione os pedaços de batata e cenoura, o alho-poró refogado, a cebola e as especiarias. Ferva por 15 minutos. Adicione o salmão. Polvilhe sal por cima. Ferva delicadamente o peixe pronto. Pré-aqueça o creme em uma panela a e adicione-o à sopa. Verifique o sabor e adicione sal, se necessário. Por último, adicione o endro.

Hyvä ruokahalu!

|França – Quenelle

Quenelle, França (Foto: Pryscila Musso)

Quenelle, França (Foto: Pryscila Musso)

Pryscila Musso vive em Lyon, na França, e desde 2014 tem uma empresa de turismo especialista em vinhos e em WINE & FOOD tours (já quero!), a Vititours, @vititoursfrance no Instagram. Além disso, ela compartilha várias dicas sobre o país no blog www.descubraafranca.com.br, @descubraafranca no Instagram. Vale a pena navegar por lá e fazer uma viagem virtual.

Ela preparou uma receita típica de Lyon, quenelle, harmonizada com vinho, claro! A quenelle foi criada nos anos 30 por Charles Morateur, um pasteleiro, quando peixes de lúcio invadiram o rio Saone e Morateur teve o insgight de misturá-los com massa. Após a Segunda Guerra Mundial o prato ganhou uma variação e passou a ser feito com farinha, manteiga e leite e diferentes opções de recheio como a que Pryscila preparou. “Na França nós encontramos facilmente as quenelles prontas. Mas podemos também fazer em casa. A receita básica é simples e muito saborosa”, explicou.

Ingredientes
(receita para 10 quenelles pequenas)
100 gr de manteiga
120 gr de farinha de trigo
100 gr de queijo gruyere ralado
3 ovos
Noz moscada ralada
200 ml de água

Tempo de preparo: 1h
Tempo de cozimento: 40 min

Modo de preparo
Esquente em um copo (pode ser no microondas) a água, a manteiga e um pouco de sal. Quando a manteiga estiver derretida, adicione a farinha e cozinhe em uma panela em fogo brando por aproximadamente 10 minutos, mexendo sem parar. Fora do fogo, adicione o queijo Gruyère e os ovos. Quando a mistura estiver esfriando um pouco, adicione a noz moscada. Forme bolinhos pequenos (como na foto) em uma superfície coberta de farinha (para não grudar) e coloque os bolinhos no congelador por 30 minutos para eles firmarem bem.

Agora você pode preparar seu molho preferido. Pode ser um molho de tomates, por exemplo. Em seguida, basta levar ao forno as quenelles cobertas pelo molho (aconselho cobrir bem as quenelles com o molho) por cerca de 30 ou 40 minutos.

Harrnonização
A harmonização sempre dependerá do molho de acompanhamento e do tipo de quenelle. Nesta receita de Quenelle Nature com molho de tomates, eu aconselho um Cotês du Rhône como vinho tinto, ou um rosé (de Tavel é uma boa pedida).

Bon appétit!

|França – Salada Quente

Salada quente, França (Foto: Roberta Caroline)

Salada quente, França (Foto: Roberta Caroline)

Roberta Caroline é consultora digital learning em Paris, onde vive há alguns anos. Ela nos ensinou a fazer uma receita que gosta muito e é inspirada em um restaurante de Paris, Chez Papa. Pode soar estranho, mas a salada quente surpreende o paladar, além de ser extremamente fácil de preparar.

Ingredietes
1 molho de alface (ou outra folha da sua preferência)
2 tomates picados
Milho a gosto
Uma peça de queijo da sua preferência
2 batatas cortadas em rodelas
Sal a gosto
Salsinha a gosto

Modo de preparo
Em uma frigideira, frite as batatas cortadas, adicione sal e salsinha. Pique o queijo e coloque na frigideira com as batatas para derreter em fogo baixo (para não queimar). Coloque o alface em um recipiente, acrescente os tomates picados, o milho, a combinação de batatas com queijo derretido e misture bem.

|Grécia – Pastítisio

Pastítisio, Grécia (Foto: Amanda Fontenele)

Pastítisio, Grécia (Foto: Amanda Fontenele)

A cearense Amanda Fontenele vive há 9 anos da experiência de percorrer os rastros dos gregos antigos e aprender sobre os hábitos dos gregos modernos. Atualmente vive em Creta, se reinventou e trocou a contabilidade pelo turismo. Amanda trabalha com receptivo no país desde 2015, onde tem uma operadora e agência de viagens especializada, A Grécia do Seu Jeito. Ela também compartilha fotos e dicas no Instagram @agreciadoseujeitoviagens.

Amanda nos ensinou a fazer pastítisio, prato clássico que, como ela mesma diz, “costuma agradar gregos e troianos”. “Escolhi um prato que faz sucesso com todos. É tipo uma lasanha grega”, explicou.

Molho de carne moída (Kimá)
Ingredientes
1 kg de carne moída (passar apenas uma vez no moedor)
100 ml de azeite de oliva
100 ml de vinho branco
150 ml de água
400 gr de polpa de tomate
1 colher de chá de açúcar cristalino
2 cebolas médias em cubos
1 dente de alho picado
1 canela em pau
3 cravos-da-índia
Sal e pimenta do reino a gosto

Modo de preparo
Em uma panela, aqueça o azeite, refogue a cebola e o alho. Deixe até dourar. Acrescente a carne moída e o sal. Refogue até perder o tom rosado. Despeje o vinho e deixe evaporar completamente. Adicione o molho de tomate, o açúcar, a canela e os cravos. É importante refogar bem toda essa junção de ingredientes. Acrescente a água. Cozinhe em fogo baixo por aproximadamente 30 minutos.

Obs: É bom deixar um pouco de molho para dar mais gosto ao macarrão na hora da montagem do pastítsio. Quando a carne estiver cozida, retire a canela e os cravos. Há quem prefira substituir os cravos por uma folha de louro. É opcional.

Creme bechamel
Ingredientes
1 ¼ l de leite gelado
30 ml de água
500 gr de queijo parmegiano ralado
2 colheres de sopa de manteiga
8 colheres de sopa rasas de farinha de trigo
1 noz-moscada ralada
Sal a gosto

Modo de preparo
Em um recipiente, dissolva a farinha de trigo em meio litro de leite e 30 ml de água. Passe o molho em uma peneira para não ficar empelotado. Em seguida, acrescente a manteiga, leite, noz-moscada e sal a gosto. Após misturá-los, leve ao fogo baixo. Mexa bastante até ficar cremoso. Assim que começar a ferver, tire do fogo e acrescente 200 gr de queijo parmegiano.

Macarrão
Ingredientes
500 gr de macarrão penne
Sal a gosto

Modo de preparo
Em uma panela, ferva 5 litros de água e acrescente sal. Coloque o macarrão. Deixe cozinhar até que fique al dente (sem estar muito cozido), pois ainda vai ao forno. Tire do fogo e escorra a água. Ressalto que é bom deixar um pouquinho de água para utilizar na hora de levar ao refratário. Outra opção é escorrer toda a água e colocar uma colher de manteiga no macarrão.

Montagem
Em um refratário, coloque uma camada de macarrão. Depois, despeje um pouco de bechamel. Preencha outra camada com o molho de carne moída. Em seguida, com macarrão. Polvilhe queijo e cubra com o restante do molho bechamel. Salpique queijo e leve ao forno pré-aquecido em temperatura de 180°C. Vai gratinar por aproximadamente 35-40 minutos.

Não resta dúvida do quanto é delicioso saborear um pastítsio quente. Mas para ficar com uma estética melhor na hora de servir, é recomendável deixar esfriar por 30 minutos.

καλή όρεξη

|Holanda – Hutspot

Hutspot, Holanda (Foto: Natasha @onewayvoyage)

Hutspot, Holanda (Foto: Natasha @onewayvoyage)

Natasha tem 25 anos, é de Brasília, mas vive há 3 anos em Amsterdam. “Eu resolvi seguir meu coração e me mudar definitivamente para a Holanda para viver com o meu namorado holandês”, disse. Apaixonada por viagens, Natasha criou um Instagram onde compartilha suas experiências pelo mundo, o @onewayvoyage. “Morar fora é uma montanha-russa de emoções! Muitos desafios, dificuldades mas também momentos incríveis e um aprendizado sem igual”, destacou.

Ela aproveitou para nos ensinar a fazer uma receita da sogra, o hutspot, um prato típico holandês que é normalmente servido nas estações mais frias do ano, outono e inverno. “O prato se assemelha um pouco ao nosso famoso purê de batata, porém é mais consistente”, explicou. Natasha disse que é costume servir o hutspot tanto com almôndegas, quanto com uma salsicha típica chamada Rookworst.

Ingredientes
1 kg de batata
500 gr de cenoura
250 gr de cebola
1 colher de sopa de manteiga
100 ml de leite
Queijo gouda
1 caldo de galinha (opcional)

Modo de preparo
Descasque e corte a batata, a cebola e a cenoura. Coloque a batata e a cenoura para cozinhar na água (opcional adicionar 1 tablete de caldo de galinha). Enquanto a água ferve, frite a cebola em uma panela até que ela fique douradinha e depois reserve. Quando os legumes estiverem no ponto, escorra toda a água e adicione a cebola. Com um amassador de batata, amasse todos os legumes e adicione 1 colher de sopa de manteiga e os 100 ml de leite (quente). A receita original não leva queijo, mas nada melhor do que adicionar um pouco de queijo holandês para dar ainda mais o sabor! Coloque o queijo à gosto.

Eet smakelijk! 🙂

|Hungria – Kakaós Csiga (caracol de cacau)

Kakaós Csiga, Hungria (Foto: Alessandra Bester)

Kakaós Csiga, Hungria (Foto: Alessandra Bester)

Alessandra Bester tem 36 anos e tem uma ligação fortíssima com a Hungria, onde mora há 12 anos. Descendente de húngaros, passou um verão no país e “foi ficando”, como ela mesma diz. Primeiro começou a namorar (hoje é casada e tem uma filha), depois arrumou um emprego e se estabeleceu. Em 2007 mudou para Paris com os pais, mas não se adaptou e voltou para a Hungria, onde está até hoje.

Alessandra sugeriu uma receita que Aliz, sua filha, adorou: Kakaós Csiga. Esse doce foi inventado por Mór Pösch, um confeiteiro de Göd, uma pequena cidade no condado de Pest, em 1908. A invenção foi feita para seus amigos no seu aniversário de 33 anos, mas fez tantos que até seus clientes ganharam alguns. Desde então, a sobremesa ganhou as cantinas e padarias húngaras, além de sempre aparecer nas lancheiras das crianças.

Ingredientes
Massa
500 gr de farinha de trigo
1 ovo
200 ml de leite
5 colheres de sopa de açúcar
2 colheres de sopa de creme de leite
25 gr de levedura
1 colher de sopa de manteiga/margarina
1 pitada de sal
10 gr de fermento em pó

Recheio
50 gr de manteiga derretida
4 colheres de sopa de açúcar
Essência de baunilha
4 colheres de sopa de cacau sem açúcar

Modo de preparo
Misturar bem a levedura (picadinha) com o leite morno, 5 colheres de sopa de açúcar e uma pitada de sal. Misturar os outros ingredientes da massa. Quando pronto, adicionar a mistura da levedura. Se a massa tiver grudenta, acrescente mais farinha.

Abra a massa com um rolo, passe a manteiga derretida e espalhe a mistura do recheio (açúcar, baunilha e cacau). Enrole a massa com o recheio e, em seguida, corte em fatias para separar a combinação em vários caracóis.

Pré-aqueça o forno a 200 graus C e deixe os rolinhos assarem por 12 minutos.

Jó étvágyat!

|Índia – Rajma (feijão vermelho

Rajma, Índia (Foto: Letícia Sales)

Rajma, Índia (Foto: Letícia Sales)

Letícia Sales é estilista e foi para a Índia há 7 anos para fazer um intercâmbio de trabalho, mas acabou ficando. Ela é noiva de um indiano e juntos abriram uma marca de moda sustentável e com impacto social chamada Happee. “Vendemos no Brasil e na Índia pelo nosso site. Nossas roupas e acessórios levam estampas e bordados feitos por artesãos locais e, a cada venda feita, doamos um absorvente menstrual lavável e reutilizável a uma mulher carente indiana”, explicou. Leticia também usa o Instagram @leticia.na.india para compartilhar dicas sobre o país e desmistificar a imagem que as pessoas têm da Índia. “Quero inspirar mais gente a vir para cá e ter a experiência mais transformadora da vida, assim como foi a minha”, finalizou.

Ela nos ensinou a fazer a versão indiana do prato queridinho dos brasileiros, o feijão com arroz. Apesar de não ser um prato do dia a dia, também é bastante famoso na Índia, mas preparado com o feijão vermelho e, claro, muita pimenta e especiarias.

Ingredientes
400 gr de feijão vermelho
3 cebolas roxas
5 tomates
Óleo
1/2 colher de sobremesa de cominho em sementes
Pimenta chili em pó a gosto
Sal a gosto

Modo de preparo
Deixe o feijão vermelho de molho na noite anterior. Pique e bata em um liquidificador ou mixer 3 cebolas roxas até formar uma pasta. Pique em pedaços grandes e bata no liquidificador 5 tomates italianos. Cozinhe o feijão na panela de pressão apenas com água (não colocar água em excesso). Em outra panela, adicione óleo. Acrescente meia colher de sobremesa de cominho em sementes e frite por alguns segundos. Acrescente a pasta de cebola e frite até dourar em fogo baixo.

Adicione pimenta chilli em pó a gosto, uma colher de sobremesa de coentro em pó e sal a gosto. Sugiro que acrescente a pimenta em pó aos poucos e experimente para não correr o risco de ficar apimentado demais. Mexa por alguns minutos. A mistura se tornará uma pasta vermelha, e ficará mais escura à medida que os tomates cozinharem. Adicione a pasta na panela com os feijões e acrescente um pouco de água. Deixe engrossar em fogo alto por alguns minutos. Sirva com arroz.

ভাল ক্ষুধা

|Inglaterra – British Baked Beans

British Baked Beans (Foto: Isac dos Santos)

British Baked Beans (Foto: Isac dos Santos)

Isac dos Santos vive em Londres, na Inglaterra, há 6 anos. O motivo? Amor! “Eu vim porque meu marido morava aqui e estávamos namorando à distância há quatro anos”, explicou. Atualmente ele é chef e nutritional advisor e normalmente cria receitas saudáveis para os lugares que trabalha. “Nunca tinha trabalhado com comida no Brasil, mas minha mãe é cozinheira, então eu tinha uma noção”, contou. Lá em Londres ele fez um curso técnico em nutrição para aprender melhor sobre como balancear um prato e hoje trabalha criando ou readequando menu. Ele compartilha algumas dicas de pratos lá no Instagram @meninoqueri.

Isac nos ensinou a fazer um dos pratos tradicionais e saborosos da região, mas, segundo ele, um dos mais mal compreendidos, o baked beans. “Infelizmente o pós-guerra tornou o enlatado tão popular que muitos nativos pouco conhecem a receita original. Eu tive a sorte de aprender com chef do interior da Inglaterra”, contou.

Ingredientes
400 gr feijão branco
3 colheres de sopa de óleo de girassol
1 cenoura ralada
1 talo de salsão picado
1 cebola média picada
1 pimentão vermelho picado
2 dentes de alho amassados
400 gr polpa de tomate
2 colheres de sopa de vinagre de maçã
1 colher de sopa de açúcar mascavo
1 colher de chá de páprica picante
Sal e pimenta a gosto

Modo de preparo
Deixe o feijão de molho por 8 horas. Escorra, lave o feijão e coloque na panela de pressão. Tampe a panela e leve ao fogo alto até a panela começar a chiar. Marque 15 minutos com o fogo baixo. Enquanto o feijão cozinha, refogue a cenoura, cebola, alho, pimentão e salsão no óleo até dourar bem. Acrescente a páprica, açúcar e vinagre, misture bem junte a polpa de tomate. Cozinhe em fogo baixo por 10 minutos. Quando o feijão estiver cozido, acrescente no molho.

Aqui você usa o sal e pimenta a gosto. Misture bem e acrescente 1 copo de água. Cozinhe (sem pressão) por 15 minutos para equilibrar os sabores.

Enjoy!

|Inglaterra – Cream Tea (chá com creme)

Cream Tea, Inglaterra (Foto: Lizani Bessel)

Cream Tea, Inglaterra (Foto: Lizani Bessel)

Lizani mora na Inglaterra há mais de 10 anos e é craque na cozinha. Ela adorou quando foi convidada para nos ensinar uma receita e sugeriu o Cream Tea. “Ele pode ser oferecido em restaurantes ou hotéis, mas nada substitui no inverno sentar-se no interior do acolhedor ambiente de uma casa de chá (tea room), e deliciar-se com os aromas dos recém-assados scones e do chá”, disse.

O termo cream tea faz parte da culinária tradicional da Inglaterra, especialmente nos Estados de Devon e Cornuália, em uma tradição que surgiu no início do século XIII. É uma combinação de chá inglês, tradicionalmente misturado ao leite, e scones, espécie de minibolo servido com clothed cream, creme de leite ou nata, e geléia de morango. O scone é cortado ao meio e, se você está no Estado de Devon, cada metade é coberta primeiramente com a nata e, sobre ela, a geleia. Se você está na Cornuália, a geleia vai primeiro e sobre ela, a nata. O chá é servido geralmente em mugs (copos de cerâmica), mas nas casas de chá mais tradicionais, ainda é servido em jogos de porcelana decorados. A maioria da população prefere o chá com leite. De acordo com a tradição, o leite é posto primeiro na xícara e, depois, o chá. Nunca o contrário.

Ingredientes
350 gr de farinha com fermento (ou use farinha comum misturada à uma colher de sopa de fermento em pó)
¼ de colher de chá de sal
1 colher de chá de fermento em pó (se estiver usando farinha com fermento)
85 gramas de manteiga sem sal de boa qualidade (não use margarina)
3 colheres de sopa de açúcar
175 ml de leite ao qual se acrescenta uma colher de suco de limão para formar buttermilk
1 colher de chá de baunilha
1 ovo batido para espalhar sobre os scones antes de assar
Geleia de morango e nata ou creme de leite batido para servir com os scones

Modo de preparo
Aqueça o forno em 220 graus celsius. Em uma vasilha grande, misture a farinha, o sal e o fermento. Acrescente a manteiga gelada, cortada em cubos pequenos, e misture até obter uma farofa. Acrescente o açúcar e misture com as mãos. Se preferir, neste momento pode acrescentar uvas passas. Fica muito bom!

Faça um buraco no centro da farofa e misture o leite com limão. Misture com as mãos até obter uma massa homogênea. Não sove. Sobre uma superfície enfarinhada, abra a massa com as mãos numa altura de mais ou menos 4 cm. Com um copo de abertura de uns 5 cm corte os bolinhos e organize-os numa forma rasa untada e enfarinhada. Espalhe sobre os scones ovo batido. Asse por 10 minutos (o tempo varia conforme o tipo de forno).

Para servir
Corte cada scone ao meio e cubra cada metade com nata e sobre ela a geleia de morango. Sirva com chá de sua preferência (se nao tiver o tradicional chá inglês) ou café.

Enjoy your tea!

|Israel – Shashuka

 

Shashuka, Israel (Foto: Monica Asif)

Shashuka, Israel (Foto: Monica Asif)

Monica Asif se mudou para Israel pela primeira vez em 1999, quando conheceu um israelense durante um curso de inglês na Inglaterra. Devido ao fato dela ser judia e Israel ser um país de maioria Judaica e que incentiva a imigração seria, mais fácil fixar residência em Israel. Nesse período ela se formou em Comunicação e Geografia na Universidade de Haifa e morou em um kibbutz. Já casada, ela e o marido foram para o Brasil e moraram um tempo no Rio de Janeiro, até voltarem juntos para Israel em 2010. Desde então eles moram perto de Tel Aviv com os dois filhos. Monica, que também trabalhou 12 anos com turismo receptivo no Brasil e em Israel, criou o Minh’alma Viajante (@minhalmaviajante no Instagram) em 2019, com dicas, roteiros e fotografia. “Minhas amigas e meus clientes sempre me falaram que eu deveria criar um blog e que minhas dicas de lugares em Israel eram especiais”, disse.

Monica nos ensinou a fazer um prato muito popular em Israel e que tem um nome bem diferente, Shakshuka. “O shakshuka e fácil de fazer, os ingredientes podem ser encontrados em qualquer país e pode ser servido como café da manha, brunch, almoço ou até no jantar”, detalhou.

Ingredientes
4 ovos
1 lata de tomate pelati
1 cebola
1 pimentão Vermelho
Cebolinha verde e queijo feta (para finalizar)
Sal, pimenta do reino e cominho a gosto

Modo de preparo
Corte a cebola e o pimentão em quadradinhos. Em uma frigideira média, doure a cebola no azeite, acrescente o pimentão e deixe até ficar molinho. Acrescentar um pouco de sal, o molho de tomate e a pimenta do reino. Misture e deixe cozinhando com a frigideira aberta até o molho reduzir e engrossar um pouco. Com uma colher abra um espaçinho no molho e coloque os ovos um a um. Salpique um pouco de sal em cada ovo. Deixe cozinhar por 5 minutos com a frigideira aberta, tampe a panela e deixe mais 3 minutos. A clara tem que ficar cozida e a gema um pouco mole. Desligue o fogo, salpique cebolinha verde e queijo feta (ou algum queijo branco salgado). Sirva na frigideira mesmo com um bom pão para acompanhar.

Beteavon!

|Irã – Kuku

Kuku, Iran (Foto: Valéria Soares)

Kuku, Irã (Foto: Valéria Soares)

Valéria Soares tem 51 anos, é carioca, fisioterapeuta, mas atualmente mora em Vancouver, no Canadá.  “Eu era solteira, bem resolvida, amo viajar. Vim para cá como estudante internacional e fiquei”, disse. Valéria conheceu Tony, um iraniano, em 2015 e os dois se casaram. Por isso a sugestão de receita do Irã. “Ele mora aqui há 26 anos. Morou na Turquia e na Suécia, é engenheiro, divorciado e tem dois filhos adultos”, acrescentou. Valéria atualmente trabalha em um SPA e estuda inglês em uma escola pública. No tempo livre, adora cozinhar.

O casal nos ensinou a fazer o Kuku. O prato é semelhante à fritada italiana, quiche francesa ou omelete espanhola, mas tem como principal ingrediente, além do ovo, a verdura – por isso sua cor. Geralmente é servido acompanhado de pão e iogurte ou salada. O Kuku é servido tradicionalmente no Nowruz, ano novo iraniano e também na Páscoa.

Ingredientes
1 ramo de espinafre
1 ramo alho-poró
1 ramo de salsinha
2 ramos de coentro
1 ramo de entro
Meia xícara de nozes (quebrar com as mãos, não triturar)
Sal a gosto
Pimenta preta a gosto
1 colher de sopa de açafrão
4 ovos
Berberis a gosto (deixa um pouquinho azedinho, pode tirar se não gostar)

Mode de preparo
Lavar os vegetais e picá-los. Coloque todos os vegetais em um recipiente e adicione os ovos e os temperos. Misture bem. Adicione o açafrão, as nozes e barberis. Misture até virar uma massa homogênea. Coloque bastante azeite em uma frigideira e coloque a massa para fritar como um omelete, em fogo baixo.

اشتهای خوب

|Irlanda – Irish Stew (cozido irlandês)

Irish Stew, Irlanda (Foto: Bruno Bortolotti)

Irish Stew, Irlanda (Foto: Bruno Bortolotti)

Bruno Bortolotti vive há 8 anos na Irlanda. Ele foi com a namorada para estudar inglês e os dois acabaram ficando. Na época, a Irlanda era o único país na Europa onde era possível estudar e trabalhar. Bruno é chef de cozinha e atualmente também compartilha suas receitas no Instagram, @whattoeat__ e no canal do Youtube, What to eat?. Como ele mesmo diz, “cozinho para viajar, viajo para comer, como viajando e viajo comendo”.

Ele nos ensinou a fazer o Irish Stew (cozido irlandês), um dos pratos nacionais da Irlanda. O guisado é considerado um prato substancial e saboroso, preparado com ingredientes da época. É muito conhecido internacionalmente e figura no guia de cozinha de Auguste Escoffier.

Bruno também tem a receita em vídeo no seu canal do Youtube:

Ingredientes
250 gr de carne de cordeiro
250 gr de carne de carne bovina cortadas em cubos grandes
Esse blend/mix de carnes não é obrigatório, mas corta um pouco do sabor forte e pronunciado do cordeiro.
200 gramas de batata bolinha cortadas ao meio
2 cebolas cortadas em cubos grandes
3 cenouras cortadas em rodelas
1 pedaço de salsão
1 talo de alho-poró
1 colher de sopa de farinha de trigo
Alho, sal, pimenta do reino, louro, alecrim e tomilho a gosto
500 ml de cerveja tipo Stout ou Ale
500 ml de caldo de carne

Modo de preparo
Em um bowl tempere as carnes com sal, pimenta do reino e parte da farinha de trigo. Em uma panela quente e com um fio de óleo/azeite comece a refogar a carne, faça isso em duas ou mais etapas afim de dar cor as carnes. Separe as carnes já pré-cozidas em um bowl e depois de refogar toda a carne. Deglace o fundo da panela com uma parte da cerveja. Na mesma panela em que dourou as carnes refogue as cebolas e os demais ingrediente, salsão, alho-poró e alho.

Volte as carnes para a panela incorpore bem com os outros ingredientes. Complete com o resto da cerveja, o caldo e as batatas. Junte o louro e um ou dois raminhos de alecrim e tomilho de acordo com seu gosto. Tampe a panela e em fogo médio cozinhe por uma hora mais ou menos ou até que as carnes estiverem macias. Adicione as cenouras e cozinhe por 20 minutos ou até que as cenouras fiquem macias. Sirva acompanhado de purê de batata ou pão (tradicional aqui na Irlanda) e um pint de Beamish (Stout aqui de Cork).

Goile maith!

|Irlanda – Soda Bread

Soda Bread, Irlanda (Foto: Danielly Ribeiro)

Danielly Ribeiro é de Teresina, no Piauí, e mora há 3 anos em Limerick, na Irlanda. Ela mudou para o país, a princípio, para fazer um intercâmbio, mas acabou ficando depois que conheceu seu namorado, atual marido. “Ele e a família são aqui de Limerick… Aí casamos”, disse.

Ela nos ensinou a fazer soda bread, um pão criado em 1830. “É uma receita bem antiga e em toda casa de irlandês eles fazem. É bem tradicional e algo que que passa de geração em geração”, finalizou. Nessa receita, o bicarbonato de sódio é usado como agente de fermentação.

Ingredientes
250 gr de farinha de trigo
250 gr de farinha de trigo integral
100 gr de aveia
1 colher pequena de sal
1 colher pequena de bicabornato de sódio
500 ml de leite (esquentar o leite por 1minuto no micro-ondas)

Modo de preparo
Misture todos os ingredientes secos primeiro e depois acrescente o leite. Misture a massa com as mãos até ficar firme. Faça uma ‘bola’ e deixe descansar por 30 minutos. Pré-aqueça o forno por 30 minutos a 200°C. Coloque a massa em uma forma untada apenas com trigo. Asse por 30 ou 35 minutos. Depois que o pão assar envolva-o ele em um pano de prato até ele esfriar.

Goile maith!

|Itália – Pizzoccheri

Pizzoccheri, Itália (Foto: Thaís Ruzzon)

Pizzoccheri, Itália (Foto: Thaís Ruzzon)

Thaís Ruzzon é italo-brasileira e se mudou para Valtellina há um ano. A principal razão para a mudança foi reconhecer a cidadania italiana, mas se encantou e decidiu ficar por lá (eu faria o mesmo!). Ela é arquiteta e atualmente trabalha como garçonete. Ela compartilha um pouco da vida italiana e alguma receitinhas no Instagram, @thaisruzzon.it.

Thaís preparou o pizzoccheri, uma massa típica da Lombardia, no norte da Itália. Ela é feita basicamente de farinha de trigo e farinha negra (por isso o aspecto um pouco mais escuro), mas você pode substituir por alguma outra massa. “É um prato pesado, mas para o frio da Valtellina ajuda bastante a manter as calorias”, explicou.

Ingredientes
250 gr de pizzoccheri
4 batatas
Meio repolho
1 dente de alho
250 gr de manteiga
3 folhas de sálvia
Sal a gosto
Parmesão ralado
Queijo pizzocherino ou similar

Modo de preparo
Coloque a panela com água no fogo e salgue-a. Despeje as batatas previamente descascadas e cortadas na panela (quanto menores forem, mais rápido elas cozinham). Enquanto espera a água ferver, pegue outra panela e derreta a manteiga, acrescente o alho e as folhas de sálvia. Tome cuidado para elas não queimarem.

Quando a água ferver, despeje o pizzoccheri. Se você gosta de repolho macio, insira na água. Caso contrário, aguarde 10 minutos do final do cozimento. No fim do tempo do cozimento, despeje o pizzoccheri em pequenas porções de cada vez em uma saladeira ou outro recipiente. Em seguida, coloque o queijo previamente cortado em cubos pequenos e o parmesão ralado. Como toque final, despeje a manteiga quente sobre o pizzoccheri e misture. Coloque uma pitada de pimenta do reino e misture de novo. A água do cozimento é muito importante pois ajuda o queijo a derreter!

Buon appetito!

|Japão – あさりの味噌汁 (sopa de misoshiru com amêijoas)

Sopa de misoshiru com amêijoas, Japão (Foto: Giselle Quarterone Ishii)

Sopa de misoshiru com amêijoas, Japão (Foto: Giselle Quarterone Ishii)

Diretamente do Japão, Giselle Quarterone Ishii, de 33 anos, deixou o Brasil há 3 anos e 2 meses. “Além de ser meu sonho morar aqui, eu e meu marido tínhamos uma empresa já no Brasil e viemos para cá para expandir”, disse. Giselle é dona da www.lojadojapao.com, @lojadojapao no Instagram (me segura!), e envia produtos japoneses principalmente para o Brasil. Seu marido é sansei e já tinha morado no Japão por 8 anos. Foi em Tokyo, inclusive, que os dois se conheceram, em 2011. Os dois são pais do Ian, de 5 anos.

“Não costumo ter tanta disponibilidade, pois minha rotina é super corrida. Mas a quarentena me deu um tempo maior para deixar em dia algumas pendências, como estudar a língua, cuidar da família e me arriscar na cozinha”. Por isso ela nos ensinou a fazer uma sopa de misoshiru com amêijoas.

Ingredientes
1 colher e meia de pasta de miso*
Dashi à gosto (caldo de peixe em pó)
250 gr de Asari frescas (amêijoas)
400 ml de água
Cebolinha picada à gosto
Meu toque pessoal: gengibre e alho!

*condimento no formato de pasta, produzido à partir da fermentação de soja e às vezes outros ingredientes (como algas, arroz, etc).

Modo de preparo
Lave as conchas em água corrente com uma escovinha. Para retirar a areia de dentro, separe-as em uma vasilha grande, cubra com água fria e uma colher de sopa de sal. Deixe-as de molho por cerca de 3 horas, de preferência na geladeira. Devem ser enxaguadas depois, 2 a 3 vezes em água fria.

Em uma panela no fogo, coloque os 400 ml de água e as amêijoas e o dashi. Ferva até que as conchas abram por completo e desligue (cerca de 3 a 5 minutos). Adicione a cebolinha picada e dissolva a pasta de missô com a ajuda de uma concha.

食欲!

|Malta – Coelho Frito Maltês e Batatas Maltesas

Coelho frito maltês e batatas maltesas (Foto: Thais Sampaio)

Coelho frito maltês e batatas maltesas (Foto: Thais Sampaio)

Thais Sampaio tem 29 anos deixou o Brasil há 6. Viveu 3 anos na Irlanda e está há 3 em Malta. “Eu me mudei porque queria ter uma experiência internacional na minha área e acabei ficando”, disse. Ela é chef de cozinha há 8 anos e atualmente é head chef em um restaurante italiano em Malta. Thais também compartilha suas receitas no @_freakforfood no Instagram e fez sua estreia no canal Freakforfood do Youtube com a receita que compartilhou com a gente.

Ela preparou coelho e batata maltesa. Segundo Thais, a combinação é bastante comum na casa daqueles que vivem em Malta.

Ingredientes
2 batatas grandes fatiadas
1 cebola picada
1 cebola grande fatiada
2 dentes de alho picados
1 kg de coxa e sobrecoxa de coelho
Sal a gosto
Pimenta a gosto
Vinagre de vinho tinto a gosto
Tempero de coelho (com cebola, alho e semente de erva-doce – opcional)
Semente de erva-doce
4 folhas de louro
30 ml de vinho tinto
30 ml de vinho branco
Um tablete de caldo de galinha

Modo de preparo
Em um recipiente, tempere o coelho com sal, pimenta, vinagre e o tempero de coelho. Misture bem com as mãos. Reserve.

Em outra travessa, coloque a cebola fatiada no fundo, depois faça uma camada de batata. Acrescente um pouco de semente de erva-doce, pimenta e sal. Em seguida, coloque água até cobrir as batatas e cubra a travessa com papel alumínio. Leve ao forno pre-aquecido a 180°C e deixe por 20 minutos. Depois, mais 10 minutos sem o papel alumínio.

Volte para o coelho. Aqueça uma panela no fogo com um fio de azeite e coloque o coelho até dourar. Tire da panela e reserve. Na mesma panela, coloque o alho e a cebola para fritar, aproveitando um pouco da gordura que ficou do coelho. Em seguida, volte o coelho para a panela com o alho e a cebola. Acrescente o louro e mexa bem. Acrescente o caldo de galinha e espere dissolver. Deixe no fogo baixo por 15 minutos. Coloque em uma assadeira, cubra com papel alumínio e deixe no forno a 180°C por mais 20 minutos. Sirva quente.

Aptit tajjeb!

|Malta – Timpana

Timpana, Malta

Timpana, Malta

Larissa Frias mora em um lugar onde provavelmente muita gente sonharia em passar as férias, Malta! Ela e o marido moravam em São Paulo, mas mudaram para lá depois de uma proposta de trabalho.

Ela nos ensinou a fazer um tradicional prato maltês, vendido em praticamente todas as pastizzerias espalhadas pelo país. “As pessoas comem ele tanto como um salgado, no meio do dia, como um prato principal, em uma refeição”, explicou. O prato é basicamente uma torta de macarrão. “Pode soar um pouco estranho a princípio, mas é certamente uma delícia, uma boa surpresa!”, finalizou.

Ingredientes
500g de massa folhada (folhas congeladas)
500g de penne (macarrão)
300g de carne moída de boi
300g de carne moída de porco
300g de fígado de galinha em cubos (opcional)
300g de bacon picado
500g de cebola em cubos finos
4 dentes de alho amassados
150g de queijo parmesão ralado
150g de qualquer outro queijo de seu gosto, ralado
7 ovos batidos
200g de pasta de tomate
200g de purê de tomate
500ml de caldo de frango ou carne
Manteiga para untar a forma
Sal e pimento a gosto

Molho para cobrir a torta
100 ml de leite
1 ovo

Modo de preparo
Pré-aqueça o forno a 180°C. Frite a cebola e o alho no azeite por 5 minutos, depois adicione o bacon e a carne moída de porco, mexendo bem. Adicione a carne moída de boi e continue mexendo, cozinhando por mais 10 minutos. Se você quiser experimentar a receita tradicional, adicione o fígado e cozinhe por mais 5 minutos. Agora, despeje o caldo de frango ou carne, misture bem e deixe ferver. Cozinhe por mais 20 minutos, até secar um pouco do caldo. Adicione a pasta de tomate e o purê de tomate. Enquanto o molho estiver cozinhando, cozinhe o macarrão com água fervente com sal, retirando um pouco antes de chegar no ponto al dente. Escorra o macarrão e misture com o molho bolonhesa, acrescentando parmesão e queijo do seu gosto. Adicione os ovos batidos para dar consistência à mistura.

Forre uma assadeira (retangular ou cilíndrica) untada (manteiga) com a massa folhada, coloque a massa também nas laterais. Preencha com o macarrão ao molho bolonhesa e cubra a parte superior com outra camada de massa folhada. Faça alguns cortes na massa folhada, que foi colocada para cobrir a torta, para que o vapor possa escapar. Pincele torta com a mistura, feita de leite e ovo. Asse no forno por 1 a 1 hora e meia (dependendo da potência do forno) e aproveite!

Aptit tajjeb!

|México – Pastel Tres Leches

Três Leches, México (Foto: Camila Borja)

Três Leches, México (Foto: Camila Borja)

Viajar sempre foi uma paixão para Camila Borja, que atualmente vive no Canadá. “Em 2014 me mudei de Belo Horizonte para Vancouver, no Canadá. Foi aqui onde, 2 anos depois, conheci meu atual marido, um Mexicano que, assim como eu, estava ‘perdido’ no mundo”, disse. Camila disse que recentemente os dois têm aproveitado muito o tempo para cozinharem juntos. “Nunca fui ao México, mas me sinto mexicana de coração e já ando me dando muito bem com a culinária típica”, completou. Ela compartilha suas andanças pelo mundo no Instagram @camila.borja e textos incríveis no site www.camilaborja.com.

Por isso, ela compartilhou uma receita deliciosa de Pastel Tres Leches (pastel em espanhol é bolo). “É a que eu mais amo fazer e, embora à primeira vista não pareça, é muito fácil”, finalizou.

Ingredientes
Para o bolo
4 ovos
200 gr de açúcar
140 gr de farinha de trigo
1 colherinha de essência de baunilha
1 pitada de sal

Para o “caldo”
1 lata 397 ml de leite condensado
1 lata 355 ml de creme de leite
250 ml de leite

Para o merengue
4 claras de ovo
200 gr de açúcar
1 pitada de sal
Suco de 1/2 limão espremido
Para decorar (você pode escolher)
Canela em pó
Frutas em calda: pêssego, cereja, manga…
Chocolate

Modo de preparo
Bolo

Pre-aqueça o forno a 180°C. Separe as claras das gemas dos 4 ovos. Em um bowl grande, bata as 4 claras até que estejam espumosas. Junta o açúcar e continue batendo até que dê uma mistura brilhante. Agora, com a batedeira em velocidade baixa, junte as gemas, o sal e a essência de baunilha. Junte a farinha de trigo e com uma espátula, mistura a massa até que tudo esteja bem incorporado. Despeja a mistura numa forma 20x20cm untada e coloca no forno 180 graus por 20-25 minutos (30-35 minutos se for 350F) ou até que o palito saia seco. Despeje a mistura em uma forma 20x20cm untada e coloque no forno 180°C por 20-25 minutos ou até que o palito saia seco.

“Caldo” de Tres Leches
Em outro recipiente, junte o leite condensado, o creme de leite e o leite e misture até obter uma textura homogênea.

Quando o bolo estiver pronto, utilize um palito ou garfo e faça buracos em toda a superfície do bolo. Jogue a mistura do “caldo” Tres Leches sobre todo o bolo, lembrando dos cantinhos. É para encharcar mesmo. Coloque o bolo na geladeira enquanto faz o merengue.

Merengue
Coloque uma panela em banho-maria. Quando a água estiver fervendo, coloque o fogo baixo. Em um bowl (que possa ir em banho maria e usar para bater), coloque as claras dos 4 ovos, o açúcar, a pitada de sal e o suco do 1/2 limão. Com um garfo ou batedor manual, bata suavemente essa mistura durante 8 a 10 minutos. É importante não deixar de bater para que as claras não cozinhem. Após 8 ou 10 minutos, tire do fogo e bata com batedeira em velocidade alta durante 5 minutos, ou até que o merengue forme picos. Você vai sentir a massa ficando mais pesada e densa gradualmente.

Uma dica para estabilizar o merengue é colocar 1 ou 2 colherinhas de açúcar pulverizando quando começar a obter a textura de merengue. Nesse momento você também pode adicionar essência de baunilha ou qualquer outra essência que queira. O Pastel Tres Leches é ideal para comer frio depois de ao menos 12 horas na geladeira.

Buen provecho!

|Nova Zelândia – Kiwi Dip

Kiwi Dip, Nova Zelândia (Foto: Elaine Schmoeckel)

Kiwi Dip, Nova Zelândia (Foto: Elaine Schmoeckel)

Elaine Schmoeckel tem 28 anos, é coordenadora de projetos em uma empresa de Tecnologia e mudou para a Nova Zelândia há 6 meses para ter uma experiência internacional na carreira. “Adoro cozinhar e aproveito o tempo disponível longe da família e amigos para testar novas receitas”, disse.

“Mas a vida corrida que requer praticidade nas refeições”, acrescentou. Por isso, Elaine nos ensinou a fazer algo único do país também, conhecido como o glorioso “mergulho de Kiwi”. O molho é simples de fazer, porém delicioso e está na mesa de todo bom neozelandês ou “Kiwi”. “Para você ver como isso é famoso aqui, a receita está em ambas as embalagens que usei, tanto da sopa de cebola quanto do creme de leite”, destacou.

Ingredientes
1 pacote de creme de cebola
1 lata de creme de leite
1 colher de suco de limão ou vinagre

Modo de preparo
Mistura todos os ingredientes em um recipiente e deixa na geladeira por 30 minutos. Dessa forma, os pedacinhos de cebola absorverem o líquido do creme e ficam crocantes. Coma com torradinhas e, se quiser incrementar, pedaços de queijo.

Pai te kai!

|Panamá – Hojaldra Panameña (pão frito)

Hojaldra, Panamá (Foto: Larissa Loureiro)

Hojaldra, Panamá (Foto: Larissa Loureiro)

Larissa Loureiro tem 31 anos e mora no Panamá há 5 anos. Sua história com o país começou “por amor”. Ela conheceu Luis, um panamenho, durante a faculdade em Chicago. Os dois se casaram no Brasil e logo se mudaram para a Cidade do Panamá, capital do país. Eles trabalham com hotelaria e têm duas filhas, Lis e Luisa (que são as coisinhas mais fofas que já vi).

Ao lado das filhas, Larissa preparou Hojaldra Panameña, uma espécie de pão frito. A receita foi introduzida no Panamá com a farinha, trazida pelos espanhóis, que a receberam dos mouros. Como tudo que é levado ao óleo fica ainda mais saboroso, esse pão frito se tornou um dos mais populares do Panamá.

Ingredientes
50 ml de água
50 ml de leite
50 ml de óleo
1 colher de sopa de açúcar
1 colher de chá de sal
1 colher de sopa fermento em pó
1 ovo
200 gr de farinha de trigo

Modo de preparo
Misture todos os ingredientes, deixando a água e o leite por último, pouco a pouco. Amasse a mistura como pão em uma mesa por aproximadamente 5 minutos. Depois que a massa estiver amassada, deixe-a repousando durante 1 hora coberta com um pano. Corte pedacinhos da massa e estique em círculos bem finos. Frite em óleo quente.

Buen provecho!

|Paquistão – Biryani

Biryani, Paquistão (Foto: Shakila Ahmad)

Biryani, Paquistão (Foto: Shakila Ahmad)

Shakila Ahmad é do Rio de Janeiro, é filha de paquistanês e há 4 meses vive na cidade de Lahore, no Paquistão. No Instagram @shakilaahmad, ela mostra a cultura com o objetivo de quebrar com os estereótipos do país. “Posto informativos para deixar o seu dia mais alegre e mais feliz mostrando que o Paquistão é mais incrível do que você imagina. Aqui falo sobre a cultura local e a vida real de uma estrangeira nesse país que muitos julgam, mass poucos conhecem”, explicou.  Shakila também mostra história, arte, moda e peculiaridades do Paquistão. “Aliás, um pouco mais… a comida, os monumentos históricos, as danças, música, religião e as tradições”, finalizou.

Ela nos ensinou a fazer um dos seus pratos favoritos e um dos mais famosos no subcontinente indiano. O biryani é um prato de arroz misto preparado com especiarias do sul da Ásia, e pode ser feito com frango ou cordeiro. “É uma mistura incrível de sabores, uma delícia indescritível”, disse Shakila.

Ingredientes
1 kg de frango (ou 12 peças)
1 kg de arroz basmati
Cebola
2 colheres de pasta de alho com gengibre
2 xícaras de iogurte
1 colher de chá de cominho branco
1 colher de chá de cominho preto
2 folhas de louro
Pimenta preta
6 cravos
Folha de hortelã
Sal a gosto

Modo de preparo
Cozinhe o frango e acrescente os temperos a gosto. Deixe dourar por 10 minutos. Adicione água aé cobrir as peças de frango. Coloque o arroz de molho por 30 minutos e, em seguida, adicione o arroz na panela com o frango. Misture e deixe cozinhar. Sirva quente.

|Peru – Pulpo al Olivo

Pulpo al Olivo (Foto: Diego Costa)

Pulpo al Olivo (Foto: Diego Costa)

Diego da Costa é brasileiro, tem 35 anos e vive em Lima, no Peru, há 5 anos, país onde conheceu sua mulher, que é peruana e com quem se casou, há 4 anos. Juntos eles têm Santiago, de dois anos, e Samuel, de um ano. Atualmente ele trabalha como supervisor de centro de controles, mas se diz um amante e curioso da cozinha. Não por acaso trabalha aos finais de semana como personal chef, preparando jantares íntimos para comemorações nas casas das pessoas. A paixão pela culinária resultou na criação da marca Costa Navarro Gastronomía (@costanavarrogastronomia no Instagram), que também atende via delivery.
Diego preparou um prato criado en 1987 por Rosita Yimura, uma peruana nascida em Callao, filha de pais japoneses. Ela recebeu o pedido de um cliente e, através da investigação, criou o molho à base azeitonas e maionese, que não era o mesmo que o cliente tinha pedido, mas sim um muito melhor.
Ingredientes
2 kg de polvo cozido
225 gr de maionese
350 gr de azeitonas negras sem caroço
3 colheres de azeite de oliva
Salsinha a gosto para decorar
225 g de sal
Cozimento do polvo
Lave bem o polvo para tirar todo a mucosidade. Coloque uma panela com 5 litros de água para esquentar. Quando a água estiver quente (mas não fervendo) , coloque o polvo e retire rapidamente. Repita esse processo mais duas vezes. Esse processo serve para que o polvo não encolha durante a cozimento. Devolva o polvo para a panela e cozinhe por 45 minutos até que esteja macio.
Molho
Lave bem as azeitonas e amasse até obter uma pasta. Pouco a pouco incorpore a maionese e acrescente 1 colher de azeite de oliva até obter uma pasta não muito espessa e nem muito líquida.
Montagem
Corte os tentáculos do polvo e disponha em um prato. Despeje o molho sobre os tentáculos, coloque azeite de oliva e adorne com a salsinha picada.
Buen provecho!

|Peru – Chupe de Mariscos

Chupe de Mariscos, Peru (Foto: Otavio Nardi)

Chupe de Mariscos, Peru (Foto: Otavio Nardi)

Otavio Nardi se mudou para o Peru há 3 anos. Formado em marketing e administração de empresas, decidiu mudar de vida e viver uma nova experiência fora do Brasil. “Sai do caos do mundo corporativo de São Paulo e em Lima tenho grandes experiências com a gastronomia”, disse. “Vivo em uma região mais simples e tiro vantagem disto. Em San Martín, conheço o lado de Lima que muitos Brasileiros nem pensam em ir. Tudo para estar perto dos mercados e de pessoas que me enchem de cultura e me fazem ter inspiração para pôr em prática o amor na arte de cozinhar”, acrescentou. “Sinto muitas saudades dos meus filhos e da minha família. Nāo é fácil ficar sozinho em outro país”, finalizou. Otavio também compartilha fotos no perfil do Instagram @umcertoolharfotografar e também algumas delícias no perfil @fusionessabores.

Ele é chef corporativo da Forno de Minas e coloca em prática uma gastronomia de fusão Brasil e Perú com toques asiáticos e contemporâneos. “O prato que apresento é um concentrado de pescado, que leva na sua base o caldo de peixe, frutos do mar, arroz, ervilhas frescas e pode ser acompanhado com pãezinhos tostados e harmonizado com um bom vinho branco”, explicou. Este é considerado um prato afrodisíaco. Essa receita é tradicional, mas como chef, Otavio acrescentou alguns ingredientes para dar um toque especial.

Ingredientes
(serve de 4 a 6 pessoas)
2 colheres de óleo vegetal
2 cebolas roxas médias picadas
4 dentes alho moído
Sal a gosto
1 caneca de abóbora ralada
2 litros de caldo de peixe (se preferir fazer, use uma cabeça e espinhas do peixe com um talho de salsão)
2 colheres de sopa de pasta de pimentão (você pode procurar em empórios de comida e peruanos)
2 colheres de sopa de pimentão amarelo picado
Pimenta, cominho e orégano a gosto
Huacatay (erva nativa peruana, mas que pode ser substituída por menta ou chicória)
2 batatas cortadas ao meio e cozidas
2 cenouras pequenas picadas em quadradinhos
1 caneca de ervilhas frescas
1 caneca de arroz branco cozido
Leite evaporado (pode ser uma caixinha de creme de leite)
Mariscos (6 mexilhões cozidos, 200 gr de camarões frescos limpos , 4 patas de caranguejos limpas
Pão frito para acompanhar

Modo de preparo
Coloque em uma panela as cabeças de peixe e espinhas sem os olhos, acrescente água, os talhos de salsão picados e deixe ferver por 30 minutos. Reserve e deixe esfriar. Em uma panela, coloque um pouco do caldo indicado acima e os mexilhões, deixe ferver até que comecem a abrir. Retire os que tiverem abertos, tire a casca e reserve.

Coloque em uma panela o óleo, a cebola picada, o alho moído e mexa até por alguns minutos. Acrescente a abóbora ralada, pimentão amarelo picado e mexa com cuidado para não queimar. Acrescente um poco do caldo de peixe. Coloque a pasta de ají, os temperos (pimenta, cominho e orégano), o huacatay e acrescente todo o caldo de peixe. Coloque as batatas, a ervilha, a cenoura e o arroz. Deixe ferver por alguns minutos e acrescente as patas do carangueijo, os camarões e tampe a panela. Espere por mais 5 minutos e desligue o fogo. No final, acrescente os mexilhões e o creme de leite. Pode ter milho cozido e pães tostados como acompanhamento.

Buen provecho!

|Polônia – Kremówka

Kremówka, Polônia (Foto: Zeca)

Kremówka, Polônia (Foto: Valentina Wielewicki)

Seu Zeca Wielewicki não mora na Polônia, mas é filho de imigrantes poloneses. Ele tem 80 anos, é de Arapongas, e até hoje é piloto de avião. Segundo sua filha, Bia Wielewicki, “diz a lenda que ele construiu um avião com um de seus irmãos. Eles juram que voou, mas ninguém nunca viu”, brincou. Ele também foi diretor de uma escola pública municipal nos anos 80 e deixou como legado esta ter sido a primeira escola da rede pública do Brasil a ter computadores instalados para o uso dos alunos. Zeca nos ensinou – com a ajuda de sua netinha, Valentina – a fazer um doce típico da Polônia, a Kremówka.

O doce tradicional polonês virou febre em Wadowice, cidade que fica a cerca de 40 km de Cracóvia, e é terra natal de Karol Wojtyla, Papa João Paulo II. Em 1999, quando andava pelas ruas de sua antiga cidade, o Papa parou em frente a confeitaria onde costumava comer o doce e reviveu o momento anos depois. Desde então o doce passou a ser chamado de Kremówka Papieska, o “doce de creme do Papa”

Ingredientes
Massa
600 gr de massa folhada
Chantilly
600 gr de nata fresca
3 colheres de açúcar cristal

Modo de preparo
Asse a massa folhada em retângulos a 180ºC até que ela fique dourada. Misture a nata fresca e as 3 colheres de açúcar cristal e bata até ficar firme. Coloque o chantilly na massa na hora de servir. Sirva gelado.

Dobry apetyt

|Portugal – Camarão ao Molho de Limão com Arroz de Café

Camarão ao molho de limão com arroz de café e aspargos (Foto: Emílio Ferasso

Camarão ao molho de limão com arroz de café e aspargos (Foto: Emílio Ferasso

Emílio Caio Ferasso é figurinha conhecida por aqui. Quem lembra quando fizemos passeios com ele, no Portugal Afora (@portugalafora no Instagram)? Já fica de novo a dica para quando forem para lá! Além do Portugal Afora, Emílio é jornalista e mora em Lisboa, Portugal, desde 2013. Além de um apaixonado por cinema, adora cozinhar. “Nas inúmeras viagens que faço, absorvo um pouco da gastronomia de cada lugar e faço muitas experiências gastronômicas em casa”, disse.

“Sou gaúcho e descendentes de italiano, por isso aprendi a cozinhar desde cedo, afinal a comida é muito importante para a minha família, que faz de cada almoço de domingo um evento”, completou. Por isso ele decidiu juntar um pouquinho das receitas que aprendeu e ensinou para nós a fazer um camarão ao molho de limão com arroz de café e aspargos.

Ingredientes
Camarão
300 gr de camarão limpo
1 cebola média
4 dentes de alho
1 limão siciliano
250 gr de creme de leite
1 folha de loro
Sal a gosto
Pimenta a gosto
Salsa a gosto

Arroz de Café
250 gr de arroz
1 dente de alho
Meia cebola
300 ml de café passado
Sal a gosto
1 molho de aspargos

Modo de preparo
Camarão ao molho de limão
Deixar os camarões marinando com pimenta, a folha de loro e o suco de limão por uma hora. Fritar em azeite e manteiga a cebola, cortada em meias rodelas e o alho até caramelizar. Depois acrescentar o creme de leite e mexer até aquecer. Quando estiver quente (não fervido), acrescentar o suco do limão (sem os camarões) e mexer até incorporar. Tempere com sal e pimenta a gosto e desligue. Coloque os camarões e tampe a panela. Para finalizar, colocar salsa a gosto picada e mexer uma ou duas vezes e voltar a tampar. Sirva depois de 5 minutos.

Arroz de café
Passe café coado ao estilo americano. Refogue a cebola e o alho picados em azeite e acrescente o arroz. Depois, acrescente o café e salgue a gosto. Mexa até o fim do cozimento. Saltear os asrpargos na manteiga (com um fio de azeite) por 7 minutos. Temperar com sal e pimenta branca.

Obs: é importante que o café seja ao estilo americano (mais aguado) para que o arroz não fique amargo.

Bom apetite!

|Rússia – Mimosa

Mimosa, Rússia (Foto: Olga)

Mimosa, Rússia (Foto: Olga)

Olga Komarova tem 31 anos e é Russa, apesar de não parecer quando você conversa com ela: seu português é impecável. Não é por acaso, ela é guia de turismo em Moscou e recebe constantemente brasileiros. “Amo meu país. Adoro compartilhar nossa cultura, nossa história e estilo de vida russo com os que procuram novas experiências incríveis e buscam conhecimentos”, disse. Acompanhe a Olga lá no Instagram: @bemvindo_russia

Sua sugestão de receita foi a mimosa, uma salada russa clássica preparada em camadas. Aqui temos uma receita com ingredientes que costumam usar por lá, mas dá para abusar da criatividade. Ela tem esse nome porque a camada de cima é feita com a gema do ovo, que tem a cor parecida com a flor mimosa. A versão tradicional leva sardinha na camada do peixe, mas algumas vezes também optam por salmão ou atum.

Ingredientes
300 gr de batata
200 gr de cenoura
3 ovos (ou 2 grandes)
1 lata de peixe
1 cebola pequena
Sal a gosto
Maionese

Modo de preparo
Cozinhe a batata, a cenoura e os ovos. Pique a cebola, corte ela em pedacinhos pequenos e refogue-a e coloque na água fervente por dez minutos. Rale a batata e a cenoura. Rale ou ame (a gosto) a clara e a gema de ovos separadamente.

Coloque numa vasilha por camadas: Peixe > um pouco de maionese > a clara de ovo ralada > cenoura ralada > um pouco de maionese > cebola > batata > um pouco de maionese > a gema por cima. Salgar todas as camadas a gosto.

Xороший аппетит!

|Sérvia – Burek

Burek, Sérvia (Foto: Tassiana Ghorayeb)

Burek, Sérvia (Foto: Tassiana Ghorayeb)

Desde 2018 Tassiana Ghorayeb faz o que muita gente sonha em fazer: viver como nômade digital. Ela é publicitária e atualmente percorre o mundão fazendo voluntariado e freelas. A Sérvia é o país onde ela está desde que a pandemia do coronavírus começou, mas ela se apaixonou. “Fiquei presa aqui e amei tanto que quero continuar explorando Belgrado depois do Covid-19”, disse. “Dos 3 meses que estou aqui, 2 estou dentro de casa, que por sorte aluguei e é uma paz, tem quintal, então, dá para espairecer”, completou.

Tassiana preparou uma receita bem apetitosa. “Se a Rakija é a bebida que une os Balcãs, o Burek é a comida”. O Burek é de origem turca e como o Império Turco-Otomano tomou conta da região dos Balcãs por cerca de 500 anos, é possível dizer que essa receita se tornou uma das especialidades da casa. Na Sérvia, o Burek é consumido pela manhã, acompanhado por um (ou dois) iogurtes. A grosso modo o Burek é uma “torta” salgada, feita de massa filo e que pode ser recheada com queijo (tipo feta), carne ou vegetais. Tassiana é vegetariana e preparou o Burek de queijo. “Vale ressaltar que as versões de cogumelo e espinafre são maravilhosas também”, finalizou.

Ingredientes
Massa Filó (que normalmente está na área de congelados)
250 gr de requeijão
60 gr de queijo feta esfarelado
190 gr de iogurte grego
2 ovos batidos
2 colheres de sopa de azeite (vai precisar de mais azeite para pincelar sobre a massa)
Sal e pimenta a gosto

Modo de preparo
Pré-aqueça o forno a 180ºC. Em um recipiente coloque o requeijão, o queijo feta, o iogurte, os ovos, o azeite, o sal e a pimenta, e misture tudo muito bem. Unte uma forma redonda com óleo/azeite ou utilize papel vegetal

É agora que a mágica acontece! Normalmente a massa filó vem cortada em várias folhas retangulares pequenas, por isso, você irá colocar o recheio em cada uma dela e enrolar, criando a forma de um “tubo”.

Passo a passo
Abra uma folha da massa em uma superfície lisa e pincele azeite. Coloque outra folha de massa filo por cima e, com uma colher, espalhe o recheio. Enrole até obter um tubo. Pressione um pouquinho para que fique bem firme. Depois, coloque a primeira tira no centro da forma, como se fosse desenhar um caracol. Repita o processo com as restantes folhas de massa filo. Por fim, pincele azeite por toda superfície do “caracol”, já na forma. Leve ao forno durante 30/40 minutos, ou até a massa crescer e ficar douradinha.

Depois de pronto, corte fatias como as de pizza e sirva! (Outro dia, eu inventei um recheio de burek com as coisas que tinha na geladeira e ficou surreal de gostoso – foto).

Tome nota (minha versão)
– Abobrinha cortada em fatias bem finas e refogadas com cúrcuma e noz moscada
– Cogumelos em fatias bem finas refogados com páprica (outro tempero bem típico da culinária sérvia)
– Inventei um molho rosé com um pouquinho de molho de tomate e queijo cottage
– Ao invés de enrolar, fiz como uma lasanha, mesclando a massa, os recheios, o molho e fatias de queijo emmental.

добар апетит

|Síria – Makluba

Makluba, Síria (Foto: Barbara Esber)

Makluba, Síria (Foto: Barbara Esber)

Barbara Esber, de 26 anos, mora na Síria há mais de dois anos. Ela é casada com um sírio e os dois moravam no Brasil, até decidirem ir para a Síria para, segundo ela, melhorar de vida. “Tínhamos mais oportunidades aqui”, disse. Atualmente Barbara compartilha um pouco da vida por lá no seu Instagram, @brazukanasiria.

Barbara nos ensinou a fazer o Makluba! O prato, que significa “virada”, tem origem na culinária palestina e também é chamado de “paella árabe”. Antigamente o prato era feito com restos de carne que se acumulavam das refeições durante a semana e, no fim de semana, virava esse prato especial para a família.

Ingredientes
1kg de brerinjela
1kg de peito de frango
1kg de arroz
250g de amêndoas sem sal
Louro a gosto
Gengibre a gosto
Cardamomo a gosto
Canela em pau
Pimenta a gosto

Modo de preparo
Corte as berinjelas no sentido vertical com 1 centímetro de espessura. Frite-as e reserve. Corte o peito de frango em pedaços médios e cozinhe em uma panela separada. Adicione na água, sal, louro, gengibre, cardamomo e canela em pau. Quando estiver cozido reserve o frango e a água do cozimento. (Passe a água do cozimento em uma peneira fina para tirar os resíduos de sujeiras).

Em uma panela grande, coloque metade das berinjelas primeiro (decore como quiser), depois metade do frango cozido, metade do arroz por cima. Faça novamente o processo (camadas como a lasanha). Adicione na água do cozimento do frango, pimenta Síria e pimenta preta. Acerte o sal da água e acrescente por cima do arroz. Cozinhe em fogo médio por 30 minutos. Muita atenção, pois quando estiver acabando a água você deve desligar antes que grude na panela

Em uma frigideira, adicione azeite de oliva e as amêndoas e deixe dourar! Isso leva poucos minutos. Mexer sempre para que não queime! Adicione por cima do Makluba.

Dica: Quando for desenformar, tome cuidado! O processo e parecido com pudim!

Sahtein!

|Suécia – Äppelsmulpaj (torta de migalhas)

Torta de Migalhas, Suécia (Foto: Luiz Rodrigo Caldas)

Torta de Migalhas, Suécia (Foto: Luiz Rodrigo Caldas)

Luiz Rodrigo Caldas mora em Estocolmo, na Suécia, há 12 anos. “Vim fazer um intercâmbio profissional no último ano da faculdade. Era para ser um intercâmbio de 1 ano e meio, mas no final quiseram me contratar”, explicou. Ele trabalha como gerente de projetos de TI e Agile Coach no setor de energia nuclear e confessou que cozinha não é seu forte. Mas mesmo assim, preparou uma sobremesa deliciosa.

A Äppelsmulpaj, ou carinhosamente chamada de torta de migalhas por Luiz, não é diretamente uma invenção sueca, mas é muito popular no país e pode ser encontrada em qualquer café. “Acho que é muito famosa por conta da canela. Sueco adora canela e uma das coisas mais idolatradas aqui é o kanelbulle (bolinho de canela)”, disse. Essa versão que Luiz nos ensinou é muito fácil de reproduzir em casa.

Ingredientes
Recheio

4 maçãs
Açúcar e canela

Crumbles (migalhas)
100 gr manteiga
100 ml açúcar
200 ml farinha de trigo
100 ml aveia

Modo de preparo
Descasque as maçãs e corte em tiras semi-circulares. Misture as tiras de maçaã em um saco plástico para marinar com canela e açúcar a gosto e um pouquinho de água. Deixe na geladeira por 1 hora. Misture as 100 gr de manteiga, 100 ml de açúcar, 200 ml de farinha de trigo e 100 ml de aveia em uma tigela. Amasse com as mãos até que pegue a consistência semelhante a de migalhas. Unte uma assadeira com manteiga e coloque as maçãs marinadas no fundo. Adicione mais açúcar e canela se quiser. Jogue as migalhas por cima das macãs. 7. Leve a assadeira ao forno por aproximadamente 20 minutos a 200 graus C.

Dependendo de como deseja a consistência das maçãs e a crocância das migalhas, experimente variar o tempo e a temperatura. Sirva acompanhada de sorvete de baunilha, creme de baunilha ou chantilly.

Smaklig Spis

|Tailândia – Papaya Salad

Papaya Salad, Tailândia (Foto: Renata Bortolotti)

Papaya Salad, Tailândia (Foto: Renata Bortolotti)

Renata Bortolotti foi para a Tailândia no final de 2019. “Eu vinha para turistar, mas desde que comprei minha passagem em junho de 2019, sentia que eu deveria ficar. Tive um burnout, surtei geral e comecei meu despertar espiritual. Muita coisa aconteceu”, contou. Desde então ela sentiu vontade de estender a viagem e percorrer o mundo fazendo voluntariado. “Aqui estou feliz da vida, em um lugar tranquilo, aprendendo muito e estudando muito”, finalizou.

Renata disse que a comida Thai não lhe agrada muito. “Tudo é muito picante, na maioria das vezes frito e com muito açúcar”, disse. Por isso, ela nos ensinou a fazer a papaya salad (salada de papaia), que é tradicional do país, mas Renata adaptou para o paladar brasileiro. “O que me chama atenção nessa salada, além do consumo da papaya verde, é o frescor e a crocância. Originalmente a receita leva muito alho e é muito picante”, explicou.

Ingredientes
1 papaya verde pequeno ralado e sem casca
1 cebola roxa pequena cortada
1 tomate cortado em 4 partes
1 xícara de vagem cortada em tirinhas
1 dente de alho pequeno
1/3 de uma pimenta dedo de moça
2 folhas de salsão picado
1 punhado de amendoim ou castanha
Suco de 3 limões
2 colheres de sopa de shoyu
2 colheres de sopa de açúcar mascavo

Modo de preparo
Misture todos os ingredientes em uma vasilha.

เพลิดเพลินกับอาหารของคุณ

|Turquia – Menemen

Meneme, Turquia (Foto: pixabay)

Meneme, Turquia (Foto: pixabay)

Cristhiane Mutlu é brasileira e mora em Istambul. Ela é casada com Gürsel Mutlu, que é turco, e juntos eles compartilham dicas sobre o país no Instagram @turkeyandmore. Além disso, eles também organizam roteiros personalizados, transfers e tour pelo país. As informações podem ser encontradas Instagram @turquiaparavoce.

Cristhiane nos enviou a tradicionalíssima receita de menemen, um prato turco que leva como principais ingredientes ovos, tomate, pimentão e especiarias. O uso da cebola nesse prato é muito debatido porque muitas vezes ele é servido no café da manhã. Nesse caso, o ingrediente fica de fora.

Ingredientes
2 tomates sem sementes, cortados em cubos pequenos
1/2 pimentão verde  cortado em cubos pequenos
1/2 cebola picada
1 colher de chá de páprica em pó (opcional)
3 ovos
1 colher de sopa de azeite
1 colher de sopa de manteiga
Sal e pimenta do reino a gosto
1/2 lata de molho de tomate (pode ser pronto ou caseiro – opcional)

Método de preparo
Aqueça uma frigideira média, adicione o azeite e a manteiga. Acrescente a cebola e o pimentão verde, refogue em fogo médio por cerca de 5 minutos. Os turcos não colocam a cebola quando o prato é servido no café-da-manhã. Adicione o tomate (pode tirar a pele se desejar), a páprica, o sal e a pimenta do reino. Cozinhe por 8 minutos ou até o tomate desmanchar. Acrescente o molho extra, pronto ou caseiro, opcional (as turcas costumam fazer esse molho como se fosse um suco de tomate).

Enquanto isso, quebre os ovos em uma tigela e bata-os levemente com um garfo.
Coloque os ovos batidos por cima do refogado e cozinhe por alguns segundos. (Há cidades que servem os ovos inteiros, apenas quebram dentro da frigideira e deixam cozinhar no molho). Em seguida, mexa a combinação levemente para que os ovos se misturem bem com o refogado. Cozinhe por mais 3 minutos ou até que os ovos estejam quase cozidos (eles terminam de cozinhar com o calor). Sirva ainda quente e na frigideira.

Afiyet olsun!

|Turquia – Humus

Humus, Turquia (Foto: Ana Morais)

Humus, Turquia (Foto: Ana Morais)

Ana Morais é de São Paulo, tem 28 anos e sempre trabalhou no meio corporativo. “De repente quis algo diferente para minha vida. Decidi me aventurar mudando pra Turquia onde vi várias oportunidades de negócios”, disse. Atualmente Ana tem uma agência aqui, a Tulipa Boutique Travel, especializada em atender brasileiros na no país. Ela também faz parte de Concierge, cuidando de todos os detalhes do planejamento e execução da viagem dos clientes. No Instagram @omelhordaturquia, Ana compartilha fotos lindas do país e mostra todos os serviços da agência. Recentemente Ana lançou o Guia da Capadócia (R$ 29,90).

Ana nos ensinou a preparar humus, que não é originalmente turco, porém a culinária turca tem herança árabe muito forte e o humus é muito consumido por lá. “O humus é servido como entrada/acompanhamento. Aqui na Turquia chama-se Mezze (típicas pequenas porções turcas). Faz parte do nosso dia a dia e é possível encontrar em vários restaurantes”, explicou.

Ingredientes
2 xícaras de grão de bico cozido
1/4 de xícara da água do grão de bico
4 colheres de sopa de tahine
3 colheres de sopa de suco de limão
1 colher de chá de sal
Cominho (opcional)

Modo de preparo
O grão de bico pode ser enlatado ou cru. O cru demora mais para cozinhar e o enlatado você só precisará ferver por 10 minutos.

Coloque no liquidificar as duas xícaras bem cheias do grão cozido com a água em que foi cozido. Bata por aproximadamente 3 minutos até formar uma pasta. Acrescente mais água caso esteja muito sólido. Adicione os outros ingredientes e bata por aproximadamente mais 5 minutos. Seu humus está pronto! Agora é só servir com azeite de oliva por cima e um pouco de pimenta vermelha (opcional).

Alguns restaurantes na Turquia colocam o humus em um refratário e assam com pastrami por cima. Eu prefiro consumir ele frio, ou até mesmo gelado.

Afiyet olsun!

 

 

Tags:  

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>